Swing

Foto: Clayton Galvão (instagram.com/claytongalvao)

O frio na barriga por não sentir os pés tocarem o chão se confunde com a emoção nervosa de sentir o corpo cortando o ar. O vento bate no rosto, bagunça o cabelo e dá a sensação de voar sem sair do lugar.

O balanço da vida leva e traz, em desafios diários, coisas que muitas vezes não queremos ou que até não precisamos (ou não gostaríamos de precisar).

Infelizmente, esquecemos que o impulso dessas idas e vindas é dado por nós mesmos. O medo normalmente bate quando estamos lá em cima, no topo, sem alcançar o chão — é onde o vento está mais frio e parar é preciso coragem porque as chances de doer são grandes! Além disso, muitos dedos podem apontar dizendo que faltou coragem para ir mais alto.

Ir é complicado, mas a volta às vezes pode ser ainda mais difícil. Por sorte, há a possibilidade de escolher simplesmente ficar.

Entretanto, se uma das emoções da vida está em poder voar sem sair do lugar, pobres dos pés que, muito no chão, não podem mais balançar.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.