Como eu assumi meu cabelo cacheado

Em 2015 eu tomei duas decisões muito importantes e que estão mudando a minha cabeça… literalmente!

A primeira das decisões foi parar de tomar pílula-anticoncepcional. Não vou me aprofundar sobre esse assunto hoje, mas em breve prometo que faço uma relato completo. Apenas para resumir, estou há 4 meses free de hormônios sintéticos e nunca me senti tão bem!

A segunda foi parar de fazer tratamentos para alisar o meu cabelo, incluindo escova e chapinha. Mas por que isso foi tão importante? Bom, se você é mulher você sabe o quanto a nossa relação com o nosso cabelo pode ser complicada… e pele, e corpo, e guarda-roupa, etc. E se você for homem, tá ai uma boa hora para exercer a empatia e tentar entender as mulheres da sua vida.

Primeiro eu gostaria de dizer que eu não tenho cabelo liso, nem crespo. Sou naturalmente loira (castanho claro), mas pinto de ruivo. Sempre tratei o meu cabelo como "rebelde, volumoso e indefinido" e achava que só a minha amada cabeleireira mesmo pra "dar um jeito" nele.

Passados pouco mais de 3 meses da minha decisão oficial, ainda estou aprendendo como ele realmente é… uma mistura de 2B, 2C, 3A, sei lá… meio ondulado, meio cacheado, de pontas secas e raiz oleosa. Mas bem mais "fácil de lidar" do que eu imaginava!

Não entendeu o que é 2B, 2C, 3A? Bom, seguem dois links que podem ajudar:
http://cacheia.com/2014/02/tipos-de-cacho-como-identificar-o-seu-dicas/
https://www.youtube.com/watch?v=eV7IUDRMgAk

Sempre fui vaidosa e sempre gostei de me cuidar, mas nunca tive muito com quem aprender nem dinheiro para comprar muitos produtos pra cabelo e/ou maquiagem. Ao 14 anos comecei a fazer luzes, aos 15 chapinha diariamente (eu acordava antes das 6h para fazer chapinha antes de ir pro colégio) e aos 17 fiz a minha primeira escova definitiva.

Lembro muito bem que eu juntei dinheiro por vários meses para fazer o tão sonhado alisamento capilar. E lembro também da decepção por ele não deixar meu cabelo escorrido (fiz sem formol) e por durar tão pouco. Continuei passando chapinha todos os dias na franja e nas partes rebeldes do cabelo. Por muitos anos!

Fazia escova definitiva de 6 em 6 meses (alternando de 3 em 3 com as luzes). Ao poucos parei de fazer a escova definitiva e passei a fazer apenas a escova progressiva de 6 em 6 meses.

E como eu não podia ir na cabeleireira com mais frequência, eu não fazia nenhum tipo de tratamento, e também não sabia fazer hidratação em casa. E quando fazia, lá de vez em quando, não percebia diferença nenhuma. Mal sabia eu que eu não sabia nada e tava fazendo tudo errado!

Há mais ou menos 3 anos atrás eu parei de fazer luzes ("nunca vou deixar de ser loira", eu dizia!), depois de quase perder uma parte do cabelo, de tão seco e quebradiço que ficou. Passei então a deixar o cabelo castanho claro, minha cor natural. Mas eu sou inquieta e adoro mudar, acabei fazendo luzes outras vezes, e agora faz 2 anos que estou ruiva. Mas agora uma ruiva saudável!

Em abril de 2014 eu fiz a minha última progressiva. Não se engane, foi por problemas financeiros mesmo. Estava com o cabelo comprido pela primeira vez em dez anos (amo cabelo curto!) e ele até que "se ajeitava" com uma escova. Nunca usei tanto rabo-de-cavalo, e eu me detesto de rabo-de-cavalo.

Não sou uma pessoa super confiante, mas se tem uma coisa que sempre foi importante para melhorar a minha auto-estima, é o cabelo. Maquiagem também, pois tenho acne até hoje e não saio sem base e corretivo, mas o cabelo é o cabelo.

É quase um remédio para a minha introspecção, algo que me faz sentir poderosa (ainda mais depois de ruiva!) e que reflete muito o meu estado de espírito.

Sempre gostei de cabelo solto, repicado, bem leve e com franja. Se ele tá arrepiado, com aspecto oleoso ou qualquer outra coisa eu automaticamente prendo ele, mas assim como escondo o cabelo, me escondo também. E até bem pouco tempo atrás eu realmente acreditava que nunca ia me sentir bem com o meu cabelo natural, sem artifícios para deixá-lo liso, leve e solto.

Não vou entrar em termos filosóficos e culturais sobre cabelo liso x cabelo crespo, todos sabemos que existe sim um pré-conceito gigantesco na nossa sociedade a respeito disso e com certeza isso me influenciou a vida inteira. Como influencia muitas e muitas meninas por ai até hoje! E precisamos mudar isso.

Eu realmente comecei me preocupar com a saúde do meu cabelo no meio do ano passado, cortei curto de novo, mas estava cansada de fazer escova quase todos os dias e eles estava cada vez mais seco e quebradiço.

Até que eu vi o post de uma amiga no facebook (muito obrigada Livia!) contando que resolvera assumir os cachos de vez. Falamos um pouco disso e ela me passou alguns vídeos de blogueiras que usam o método "curly girl". Fiquei com a ideia na cabeça por semanas e comecei a pesquisar muito sobre isso. Li muitos posts e ví vários vídeos de muitas e muitas meninas que contam os seus métodos para manter os cabelos cacheados saudáveis e lindos… e com produtos baratos.

Pausa para o momento em que me dei conta que eu, que trabalho com internet, nunca tinha procurado informação sobre isso no Google!

Eu já estava a um ano e meio sem fazer progressiva, então decidi tentar. Comprei uma máscara qualquer no supermercado e comecei a fazer hidratação em casa 2 ou 3 vezes por semana. E parei de fazer escova. Nas primeiras semanas o volume me deixava nervosa, mas depois descobri o cronograma capilar, comprei novos produtos e testei algumas receitinhas caseiras (maizena, mel, azeite de oliva e vinagre de maça fazem milagre) e uns 2 meses depois, voilá… cabelos hidratados, ondas e cachos bem definidos. O temido frizz foi quase embora (adeus toalha!) e o volume baixou.

Pra minha surpresa… em pouquíssimo tempo descobri que meu cabelo é muito mais comportado do que eu imaginava, só precisava de carinho mesmo. Tenho pouco volume, ele é liso na raiz (a minha franja que sempre foi rebelde, fica lisa sem escova) e forma cachos na altura do ombro. Também descobri que minha raiz é oleosa e preciso maneirar nos cremes pra não ganhar caspa (nada de co-wash pra mim!) e mais acne.

Mas mais importante do que como é o meu cabelo, aprendi a me cuidar e a me amar do jeito que eu sou. Meu cachos não são perfeitos, muito pelo contrário, meu cabelo é curto e ele começa a formar cachos só nas pontas, mas não importa, estou amando ele do jeito que está.

É uma diversão testar novos produtos ou novas receitas caseiras e estou mega feliz comigo mesma, o primeiro cacho a gente não esquece!

Ainda estou em busca de mais informações e referências, existe um mundo lindo de cacheadas na internet contando as suas experiências e ainda não encontrei nenhuma com o cabelo parecido com o meu, mais ondulado e menos crespo.

Eu não sou referência, nem fonte de informação, e certamente tem histórias mais inspiradoras que a minha por ai, mas li vários relatos que foram super importantes na minha tomada de decisão, então decidi escrever esse post.

No final, não importa se seu cabelo é liso, ondulado, cacheado ou crespo, o que importa mesmo é a gente aprender a se amar! E a melhor forma de fazer isso é aprendendo a cuidar de si mesma.

;)