Deixar entrar.

Sempre fui uma pessoa que igual todo mundo tem várias camadas, e por mais que eu tentasse nunca deixei todas elas transparecerem. Mesmo quem me conhece a fundo ainda não viu todas elas, e nunca quis que vissem, por medo, vergonha, ou até mesmo falta de vontade ninguém as conheceu.

Gosto de deixar parecer que sim, que sinto tudo a fundo, todas as dores, alegrias e amores, mas na verdade, isso nunca aconteceu. Sempre fui muito fechada nesse sentido e por isso acho que deixei de vivenciar e experimentar muitas coisas. Não acho que já amei de verdade, que já sofri de verdade, todas as vezes fiz uma barreira e bloquei esses sentimentos. Nunca senti a vida em toda sua grandeza.

Pode até parecer que sim, gosto da ideia de que isso já aconteceu, mas no meu interior sei que não. Quem me conhece possivelmente acha que sim, que sou intensa, que vivo e sinto tudo, mas não. Eu nunca me permiti isso. Toda vez tinha algo que me bloqueava, que me impedia, e parando pra pensar vejo que esse algo sou eu.

Eu não queria sentir, porque sentir significa viver tudo, o bom e o ruim, e não sei se isso fazia sentido pra mim antigamente, mas hoje sei que faz. Hoje eu quero me permitir, eu quero sentir e quero viver tudo que posso, tudo que a vida tem a oferecer, as experiências boas e as ruins porque no final são só isso, experiências que podem ou não me definir ou me influenciar, cabe a mim decidir, mas para isso eu preciso vivê-las. Hoje eu estou disposta a sentir tudo. Hoje eu quero deixar entrar.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Carol’s story.