A tristeza chega em nós feito vento frio em peito aberto. Ressaca no meio da madrugada. Embrulho no estômago e choro contido. Sempre achamos que podemos ser mais esperto que a própria. Nunca vamos ser. Ela vem de mansinho. Te pega de surpresa. Te aperta. Te esgana. Te mói. Por dentro e por fora. Não existe poema e crônicas que possa te consolar. Existe choro. Existe dor. Dor de tanto chorar. Chorar de tanto sentir dor. Tudo isso numa noite só. Em poucas horas ela vem e te golpeia. Nocaute. Escuto juiz contar os cinco segundos. Luta perdida. Eu perdi. Ela ganhou. Ela quem? A tristeza. Por qual motivo estaria tão triste? Amor perdido? Amor negado? Amor acompanhado de outro amor (não o meu amor). Ah, o amor. Já dizia aquela linda poesia, “Amor é um bicho instruído”. Amor foi. Eu fiquei. Você foi. A tristeza voltou. Meu amigo, veja bem, essa noite tu é minha e eu sou tua. Tua tristeza.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.