Dependência não é amor

Todos os dias vou ao trabalho no ônibus da empresa e, normalmente, o rádio está ligado. Quase sempre tocam músicas que não são muito do meu agrado (especialmente os dias que esqueço o fone de ouvido), mas de tanto ouvir, acabo prestando atenção na letra de uma ou outra.

Uma dessas que tocam todos os dias (sério, podiam variar um pouco!) aguçou os meus ouvidos e não de uma forma positiva. Ela deveria ser uma canção romântica, uma declaração de amor, mas falhou miseravelmente ao incluir essa estrofe:

“Você me sorriu e a vida mudou
E a nossa história só começou
Parece que a gente já tá dependente um do outro
Isso é amor”.

Gente, NÃO! Isso não é amor! É triste ver passada a mensagem de que amor significa você não conseguir viver sem a pessoa. Adivinhe: é possível, sim! (e os anos antes de estar com a pessoa? Você estava morta/o?). Essa crença é a grande responsável por diversos relacionamento disfuncionais sobre os quais vejo tantos relatos. Em uma forma mais doentia, pode ser até mesmo o argumento que mantém alguém em um relacionamento abusivo, quando o abusador invalida a possibilidade de vida após o fim da relação.

Dependência não é amor. Mas sabe o que é? Amor é liberdade, é respeito, é companheirismo.

Amor é leve, é brisa do mar no fim de tarde, é risada sem motivo. Não tem nada a ver com “achar a metade da laranja”, pois precisamos ser inteiros.

Amor é diálogo, é discussão madura, é comunicação. Não tem nada a ver com “você tem sorte de eu gostar de você, se não você estaria sozinha”.

Amor, portanto, é quando duas individualidades — inteiras — resolvem que é bom estar com uma determinada pessoa, mas não joga no outro a responsabilidade pela felicidade. É ter consciência de que o relacionamento não é boia de salvação, mas um barquinho legal de navegar; porém, se o barquinho quebrar, é possível nadar e chegar até a margem. Vida que segue, cheia de aprendizados.

Amar é ser independente, inclusive para ter vida fora do relacionamento (não se esqueça dos amigos!). É todos os dias reafirmar o compromisso de estar com a pessoa amada, não porque a vida depende disso, mas porque os dias ficam mais divertidos assim.

Uma música motivacional da Bruna Caram em prol de relacionamentos mais sadios: