É extremamente fácil culpar a bebida pelos erros que você comete e pelas coisas que não te afetam, mas podem afetar os outros. Mais fácil ainda é você ter ações duvidosas e se esconder nos poderes do álcool.

É muito fácil você achar que pode botar a mão na bunda de alguém quando essa pessoa está praticamente dormindo — tudo bem, é culpa da bebida — . Também é muito fácil você não ter o mínimo de noção para transar com alguém — que também não está em plenas condições, como você — numa cama que há outra pessoa dormindo. Não satisfeito em acordar as pessoas ao redor, tem a capacidade de convidá-las com um belo de um dedo dentro das suas intimidades. Mas tudo bem, é culpa da bebida também. Não posso me comprometer em não repetir mas também me desculpo se você se sentiu mal com essa situação.

Obviamente, talvez você não se afete pelas coisas que faz com os outros. Afinal você está acobertado pela magnífica capa da bebida, que te impede de se culpar caso as outras pessoas se sintam mal ou incomodadas pelas suas ações. Mas infelizmente, mesmo que para você seja apenas uma situação passageira, para os outros o trauma fica.

E quando algo assim acontece, na verdade a tendência dessa energia negativa crescer no âmago do ser passa a ser algo quase que inevitável. Estraga uma boa parte dos bons pensamentos e infelizmente é difícil de se esquecer. Queria eu que fosse algo fácil sumir isso da minha mente. Talvez seja esse o motivo do meu mau humor nas últimas semanas.

E enquanto eu me esforço para fingir que eu esqueci disso só por não saber como seria a reação das pessoas, você (ou poderia dizer vocês?) vivem suas vidas e suas militâncias como uma pessoa em paz. Infelizmente uma desculpa babaca não resolve, e infelizmente, mais alguma coisa que a bebida vai receber a culpa, e não os atores da obra.