Fim, começo e meio

Já parou pra pensar se você faria falta pra alguém? Já chegou a conclusão de que não faz diferença?

Todos os dias eu imagino como seria o mundo se eu não existisse. Onde estariam as pessoas que eu tenho algum tipo de sentimento, como seria o mundo delas sem a minha presença. Todos os dias.

Como seria para as pessoas que eu amo, não ter que lidar com o que eu sou de verdade. Se é que existe alguma verdade. Como seria pra elas não ter que se preocupar comigo, em nenhum sentido. Elas estariam livres do martírio que é ter de lidar com alguém que não sabe quem é realmente. Que hora é algo, hora é outra coisa.

Se eu fosse embora agora, talvez gerasse alguma dor. Em poucas pessoas. Mas quanto isso duraria? Nada é eterno, nada é permanente nesse planeta. Quantos dias, meses, anos, demorariam pra elas entenderem que, no final, foi melhor assim?

Talvez seja o meu egoísmo que não me permita fazer algo do tipo. Ou a falta de competência. Não importa. A realidade é que não faria diferença. No final, tudo acaba.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.