Logo me convenço
Que sou paixão antiga
Junto a lembranças bonitas

Pois não me serve ser memória
Daqueles dias que ia perdida
Se só existo quando lembra
E agora vai tão esquecida

Assim descobrimos lugares
Onde estaríamos não fosse quase
Hora de ir embora

Assim cada um desbrava
A parte que lhe cabe e passa
Alheio a hora sem esquecer que
Sempre é agora

Cada um sussurra em seu próprio ouvido
Cada um escuta a própria voz
E mesmo em meio a tanto ruído
Ouve-se o segredo de estar vivo

Nem melhor, nem pior
Viver é o barato de estar em perigo

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.