Paixão de ônibus

Jamais me esquecerei daquele olhar. Nunca ouve em minha vida outro igual. Meu espanto foi tal que, num átimo de segundo, meu estômago subiu e desceu. Por um breve instante senti tudo suspenso em meu interior. Tal o poder do olhar de uma mulher. Já havia notado que ela me notava. Ela certamente já havia feito o mesmo juízo de mim. Divididos por um corpo de algum trabalhador que tornava à casa cansado do trabalho. Não, não é possível. Meu acaso tem de ter entrado em acordo com o dela. De todos os milhares de segundos que se passam numa viagem de ônibus entre a rodoviária e nossas casas, como quiseram nossos olhares encontrar o do outro distraído no mesmo exato instante? Logo eu, que ía afundado em meus textos, mas com a periferia de minha visão atenta aos movimentos dela. Preparei-me para o melhor instante, o que estivesse mais desatenta, e quando parecia não ser capaz de me notar, desviei os olhos para contemplar seu lindo rosto. O que não esperava é que nesse exato instante, ela resolvesse fazer o mesmo. Por um segundo pude jurar que jamais vi dois olhos fitando uns aos outros com mais intensidade que os nossos naquele momento. A vibração interna foi instantânea e abrupta. Entrou-me pelas pupilas e correu-me retinas à baixo tal um raio descendo das nuvens à terra. Não sei se ela sentiu o mesmo. Mas pela sua paralisação, diria que sim. O um segundo mais longo que já vivi. E quem diria, num olhar. Mas não se engane, caro leitor, com o aspecto de memória longínqua dessas linhas. Ela ainda está ali. Talvez a um braço de distância. Com seus lábios carnudos, rosados, uma franja caída de lado, que agora esconde seus olhos convictos, e com uma pequenina pinta no canto esquerdo do rosto, entre o nariz e a boca, que eu queria poder ver mais de perto. Como eu queria lhe falar que escrevo sobre ti. Que meu desejo é de lhe cheirar o pescoço e ouvir tua voz. Que depois de Capitu, teus olhos são os mais belos que este país já conheceu. Mas seguirás calada seu rumo, e eu, igualmente, o meu. O silêncio que nos separa e os sonhos que, ao seu lado, agora atravessam minha mente, são tão intangíveis quanto o verso que não escrevi, e tão efêmeros quanto a ideia que há pouco me ocorreu mas perdi. Paixão de ônibus, veja só. Não foi a primeira e não será a última. Esse mesmo coletivo guarda inúmeras histórias que se iniciariam com um simples olhar. Talvez nem tão vibrantes como o nosso. Mas ele também é testemunha de quantas amores se perderam na próxima parada. Tu em breve descerá e levará contigo um futuro que se perderá. Chegará em casa. Irá se despir, a começar pelo casaco, depois a calça, então a blusa, e finalmente, o sutiã. Se deitará por alguns minutos. Depois, levantará para jantar, ajudar sua mãe com a louça, ou tomar um banho. Mais tarde, procurará seus livros, séries, amigos no celular, ou irá escutar aquela música que mais lhe agrada. E eu não estarei lá. A vida seguirá seu curso e jamais nos será dado provar o sabor do amor que poderia ter sido, mas não foi.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.