Campanha de Resistência do CCS!

Vida Longa ao Centro de Cultura Social! Viva a Cultura e a Organização Popular!

Em 1966, durante as fortes chuvas que castigaram o Rio de Janeiro, a casa da Rua Torres Homem, 790, conhecida na época como Associação Baiana, abrigou dezenas de desabrigados do Morro dos Macacos que perderam suas casas e pertences. Nesse meio século, o espaço se tornou uma referência comunitária para a vizinhança e moradoras/es do bairro, chamado por muitas pessoas de “casa dos baianos”, onde aconteciam também bailes comunitários e partidas de futebol em sua quadra.

Muralismo no muro frontal do CCS.

No final de 2001, foi fundada a Biblioteca Social Fábio Luz em uma das salas da casa. Em 2003, o local foi ocupado por um grupo de pessoas com novas propostas, e passou a se chamar Centro de Cultura Social (CCS-RJ). Ao longo desses 13 anos vem abrigando diversos trabalhos, como uma oficina de panificação de bolinhos com jovens do Morro dos Macacos; a oficina de educação ambiental e reutilização de materiais para o “Boas Ideias Magníficos Ideais”, de Maurílio Birimbau; o grupo Luz do Sol, com atividades voltadas para jovens e crianças; um letramento escolar; um cineclube com debates entre jovens; uma cooperativa de fraldas; o pré-vestibular comunitário Solidariedade e o trabalho de educação popular infantil Germinar, ambos organizados pelo Movimento de Organização de Base (MOB); aulas de Kung Fu; o Grupo de Capoeira Angola Mocambo de Aruanda; um dos núcleos do grupo de consumo coletivo Rede Ecológica; o Bazar du Bom; oficinas de serigrafia; atividades de muralismo na fachado do CCS; a cooperativa de venda de livros Jataí e a Biblioteca Social Fábio Luz, utilizada por muitos pesquisadores e estudantes.

Oficina de Serigrafia que acontece dentro do Centro de Cultura Social.

Além desses trabalhos, o espaço do CCS é conhecido por suas inúmeras atividades comunitárias e de confraternização. Realizamos eventos como festas julinas, almoços, feijoadas de solidariedade, atividades culturais, encontros de pré-vestibulares comunitários, oficinas sobre os direitos trabalhistas, o evento de Rap Linha Cultural e outras festividades, mobilizando e animando tanto a comunidade quanto nossos voluntários. O espaço também é cedido aos moradores do bairro para suas festas familiares, a preços acessíveis. Assim, o CCS-RJ busca ser uma referência para a comunidade e a vizinhança, abrigando e apoiando iniciativas de geração de renda, bem como atividades culturais e de educação popular, dialogando e apoiando os movimentos sociais, os espaços comunitários locais e de outros bairros.

Feijoada realizada no espaço do CCS para arrecadar fundos e realizarmos uma obra interna.

Mas todo esse esforço de décadas está ameaçado. Apesar das diversas atividades sociais e culturais que sempre foram realizadas no local, a entidade gestora anterior nunca pleiteou a isenção dos valores absurdos do IPTU cobrados pela Prefeitura. O resultado foi que nunca conseguiram pagar o IPTU do imóvel e, quando a atual gestão assumiu o espaço, a dívida já era enorme e impagável.

É importante dizer que todo trabalho realizado no CCS-RJ não recebe nenhum tipo de financiamento público ou privado. Cada atividade é autossustentada com seus próprios recursos gerados a partir de contribuições de seus participantes e outras formas de geração de renda como venda de materiais, camisas ou doações. Para existir o CCS-RJ conta com muito esforço, solidariedade e trabalho voluntário. Para nós, um espaço com função social para a comunidade, como o CCS-RJ, não pode pagar valores altíssimos de IPTU, por isso nos negamos a pagar esta enorme e injusta dívida.

Visão frontal da nossa casa. Atividade de muralismo com adolescentes e moradores do bairro e do Morro dos Macacos.

Devido à dívida que se acumulou, o espaço poderá ser leiloado e o CCS-RJ despejado pela Prefeitura em um futuro muito próximo. Precisamos, portanto, nos organizar para evitar que esse histórico espaço comunitário de Vila Isabel seja fechado e entregue à especulação imobiliária. Vamos reunir a nossa comunidade no esforço de preservar o CCS-RJ e todos os seus trabalhos sociais e sonhos. Lutemos pela garantia de continuidade de funcionamento desse importante espaço comunitário.

O CCS-RJ encontra-se desde julho em assembleia permanente de resistência, fazendo atividades de mobilização junto com as pessoas que querem ver esta casa viva e popular por muitos e muitos anos. Venham nos visitar, as portas estão abertas para todas e todos que queiram chegar junto e apoiar.

Estamos também lançando uma campanha!

Demonstre seu apoio ao CCS colocando a hashtag #euapoioccs! Vamos pressionar nas ruas e nas redes, a manutenção desse espaço popular!

CCS Resiste!

#euapoioccs

Festa julina ocorrida no CCS.

DEMONSTRE SEU APOIO AO CCS! TIRE UMA FOTO COM HASHTAG #euapoioccs e venha se organizar nas assembleias comunitárias de resistência que estão acontecendo no espaço.