CHICO BUARQUE: SOBRE POLÊMICA E DESCONHECIMENTO

Nos últimos dias, o cantor e compositor Chico Buarque viu seu nome envolvido em mais uma polêmica. A primeira música divulgada de seu CD, “Tua cantiga”, lançado essa semana nas lojas e meio digital, teve interpretações de machismo. Logo ele, o sempre cultuado por entender a alma feminina como ninguém. Foi dito até mesmo que o já senhor, com seus 73 anos, não seria um “homem de hoje” e sua música seria datada.

Clipe oficial da música “Tua Cantiga”, de Chico Buarque e Cristóvão Bastos

Chico não é um garoto e poderia, sim, não estar por dentro dos assuntos da pós-modernidade. Só que ele está, e demonstrou isso elegantemente em outras músicas do novo CD. Destaque para “Blues para Bia”, canção em que um homem confessa o amor por uma mulher lésbica com extrema delicadeza, e “Caravanas”, onde narra o preconceito dos nativos da zona sul e a truculência da polícia racista quando jovens do subúrbio, em ônibus lotados, chegam à praia. Mais atual impossível.

O grande artista brasileiro tem obras para cinema e teatro, além de livros lançados. Não a toa, muitas de suas músicas foram escritas para personagens, o que já revela uma vertente nada biográfica em seu cancioneiro, outras são verdadeiras crônicas. “Tua cantiga”, descreve o amor de um homem casado por uma admiradora e por abordar este, que deveria ser só mais um assunto, foi mais uma vez para a inquisição da internet. Mulheres disseram não se identificar mais com a personagem criada por Chico.

Capa do álbum Caravanas de Chico Buarque

Quem conhece sua obra, sabe que seria impossível se identificar com todas as músicas. São centenas de personagens, com todo tipo de personalidade. Quem já estudou literatura, sabe que nas cantigas (inspiração clara) o trovador, não correspondido, é um vassalo de sua amada. Largar mulher e filhos figura só uma das loucuras que este homem seria capaz. Fica a dúvida: a polêmica não é por puro desconhecimento?