Relacionamentos abusivos e amor próprio

A gente vive numa sociedade opressora e agressiva e nossas relações são permeadas por pequenas (ou grandes, enormes) violências. Muitas vezes nós nem sabemos como se relacionar de outro jeito, porque aprendemos quando crianças que quem nos ama nos agride e nos agride porque nos ama. Que amar e cuidar é violento e que nós devemos nos encaixar em algum padrão para merecermos o amor de nossos pais. Devemos ser boas meninas.

Nós seguimos sendo boas meninas ou sendo más meninas declaradamente não merecedoras de amor. E isso deixa as nossas relações meio cagadas.

Daí que quando a gente namora com uma pessoa que ridiculariza a gente o tempo todo parece ainda mais ridículo se queixar disso. Porque se dói, o problema é nosso, né? A gente que tá sendo sensível demais e levando tudo a sério, não sabe aguentar uma brincadeira. Quando a gente namora com alguém que vive criticando a gente, a gente nem questiona e ainda se sente mal por não conseguir atender às expectativas da outra pessoa. E, também, quando namora uma pessoa que nos xinga durante uma briga, a gente aceita porque na hora da raiva é normal se descontrolar. E é só nesses momentos mesmo. A gente também fala mais alto e causa um pouco.

A fala tem um puta poder e não damos a importância que ela merece na hora de pesar se um relacionamento tá sendo saudável ou não. Às vezes a mulher tá definhando por dentro, mas nada realmente justifica ela querer ir embora, não é? O boy dela nunca encostou sequer um dedo nela!

A gente sabe que tem coisas mais óbvias; como controlar as roupas, as saídas, xingar mesmo etc. Só que dificilmente daria pra enumerar num quadrinho todos os possíveis sinais e nuances ou frases específicas que as mulheres podem ouvir num relacionamento abusivo. As pessoas são ardilosas para manter o controle e privilégios e, mesmo que inconscientemente, elas se adaptam ao que funciona melhor. Uma frase pode ser meio indiferente pra alguém e pra outra mina pode machucar pelo contexto e história dela. E nem por um segundo isso significa que a mina machucada não tem o direito de não querer passar por essa situação.

Não tem fórmula certa ou lista que te ajude a definir com certeza se seu relacionamento te faz bem ou não. Algumas coisas podem te ajudar a perceber sinais e padrões de comportamento entre abusadores e abusadoras. Mas a única pessoa que pode te dar certeza do que te faz bem é você mesma.

Você. Fodam-se os outros.

Agora lembra que a gente foi criada numa sociedade cagada que nos ensina que a gente tem que trabalhar duro pra merecer algum amor? E pensa também em como nós mulheres fomos socializadas para agradar e servir e como nos sentimos culpadas e inúteis se falhamos com isso.

Então, é difícil a gente sair dessa dinâmica por um ou dois minutinhos e analisar a situação e

EPA

“Ele tá me depreciando sem parar, só critica minha maneira de falar e de dar risada alto, quer me podar em todos os roles. Isso mudou minha maneira de agir, me tornou fechada. PRA QUE ficar com um cara que me faz mal assim? Eu hein? Mereço mais! Adeus!”

Ou

“Ela não me deixa falar com meus amigos! Ela tem crise de ciúmes e chora e diz que vai se matar por minha causa e ficamos por horas brigando. Estou emocionalmente esgotada e essa relação só me faz mal! Chega!”

ou ainda

“Ele não olha direito na minha cara e nunca quer me ver, mas não quer terminar e diz que eu sou carente, chata e imatura??? Tá cheinho de gente interessante e linda que me quer! Adios”

Porque é simples assim. Por isso nossos amigos ficam tão exasperados com a gente quando a gente desabafa sobre a décima quarta vez que ele fez a mesma merda. E a gente começa a ficar com vergonha e não contar mais. E a esconder algumas coisas e florear outras.

Se a gente conseguisse sair dessa dinâmica por pouquinho tempo que seja, perceberia que não vale a pena e mais: que é absurdo. É muita falta de amor próprio que nos faz continuar nesse tipo de relação e isso é normal: a gente nem sabe direito o que é isso mesmo.

A gente acha que é protagonista das nossas vidas e somos meras coadjuvantes das vidas das pessoas que amamos.

Então começa a fazer um movimento diferente do que te foi ensinado. O que você sente importa! Se machucou ou não importa! O que você pensa importa! Importa pra você e como você é a pessoa mais importante da sua vida, isso importa pra caralho!

E se importa pra você, você tem todo o direito de fazer o que quer que seja pra se sentir melhor. Não precisa ser plausível pra ninguém, muito menos pra macho escroto e manipulador! E não precisa do aval da sociedade pra terminar relacionamento.

Porque você não precisa de um, veja só (Inclusive, muitas vezes os relacionamentos só deixam a gente mais pesada; sugam nossa energia e tiram nosso foco de nós mesmas). Ouvi de vários homens, que as mulheres feministas de hoje em dia ficariam sozinhas em sua velhice e eu questiono primeiro: what; e segundo: the fuck. Manter um relacionamento abusivo por medo de ficar sozinha é absurdo! Se está ruim na juventude, imagine na velhice, rapaz.

Então fica tranquila e aproveita a viagem. Você está em ótimas mãos: as suas.

Não deixe ninguém te diminuir, gata!