100 (e poucos) dias depois…

Já foi falado que fiz uma viagem louca. Todo mundo sabe. E você já se cansou disso. Mas agora que fiz aniversário de novo (29 com corpinho de 34 e ânimo de 60…), resolvi fazer uma análise sobre o pós-viagem e minha nova idade.

I miss this… like crazy.

Antes dessa viagem, eu nunca cogitaria sair do país para ser garçom ou lavar pratos em algum lugar do mundo, sair da minha zona de conforto e afins.
Depois, comecei a divagar sobre a vida. Me lembrei o quanto me irritava como atendente de plano pós em operadora de celular, ou quando contava parafusos (Sim, em um trabalho que tive, era uma das atribuições) e preparava modens no estágio. Cara, se analisarmos, ambos não tinham o glamour de um Diretor de Marketing ou Gerente de qualquer coisa. Além de não pagar muitas de minhas contas. Mas fui feliz pra caramba, lá! Mais do que em outros lugares onde paguei minhas contas e realizei grandes coisas de minha vida.

Durante 13 dias, vi pessoas em vários lugares. E fui cliente de vários deles. E percebi que em geral, as pessoas são felizes. Apesar de todo mundo ter que trabalhar, o que convenhamos, em geral é um saco. No fundo, não tenho razões para sair de minha zona de conforto e arriscar tudo em um lugar novo. Ao mesmo tempo, tenho dois motivos pra ir: sair dessa zona. O outro não posso contar. Ou teria que te matar depois. Sério.

Voltando ao que importa, vou falar mais do mesmo, é melhor ter um trabalho “mais ou menos” em outro país do que aqui no Brasil. A gente vive sempre nessas de ter o cargo mais charmoso, afinal é o que a sociedade te obriga. Mas ser algo melhor que é bom, nada!
Não estou defendendo que devemos ser hippies, mas os nossos egos de que precisamos ter cargo X ou Y nos matam aos poucos diariamente. Quer dizer, me mata. Sempre quis sair daqui (de Campinas mesmo) e desbravar algo novo, mas nunca tive coragem. Por questões de trabalho, status, família e correlatos. Mas agora pra ser sincero, tenho me importado beeemmm menos com isso. Tô escolhendo ser feliz mesmo. Só pra constar, ainda detesto trabalhar aos fins de semana e feriado, ok!?

Talvez o que esteja escrevendo, seja o retrato do que preciso, não o que você precisa. Mas às vezes pode ser uma motivação em sua busca por algo novo. Não sabemos. Quer dizer, tem uma pessoa só que sabe a resposta, você.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.