O (não tão) brilho eterno de uma mente com lembranças

Era um dia de abril. Nós dois. O mesmo carro de sempre. Só o rádio emitia ruídos…

Por muito tempo, queria ter a opção que eles tiveram de esquecer o outro

- “Acho que não tô mais feliz com esse namoro.”

- “É, eu também não. O que vamos fazer?”

- “Vamos dar um tempo ou acabamos aqui?”

- “Vamos dar um tempo e tentar mais uma vez… a última vez…”

E foi assim que se iniciou nosso fim.

Demorei pra ter coragem pra falar (ou escrever, no caso) sobre isso. Entender tudo e ver o que aconteceu depois de 5 anos. Quanta coisa se passou nesse tempo…

Realizei um dos nossos planos, de conhecer o Mickey e o Harry Potter (nesse caso, o parque). Como você sabe, o Mickey Fantasia sempre foi o meu favorito. Logo, no dia que o vi, falei pra uma pessoa fantasiada que era o melhor dia da minha vida. Patético, né?! Eu sei. Mas era o que senti vontade no momento.

Com esse sorriso, como não seria o momento mais feliz da vida?!

Você também realizou um de nossos planos, esteve em Paris. Lembra quando comecei a estudar francês e queríamos fazer isso?! Que bom que já o fez. Apesar dos pesares, cada um realizou parte de nosso projeto. Palmas pra nós!

Cresci um pouco. Agora demonstro sentimentos, digo quando gosto ou desgosto das coisas. Cansei de ser o indivíduo que se isola, ao invés do que aproveita a vida. Gostaria muito de saber o quão você mudou e cresceu, mas não é algo que me cabe no momento…

Deixamos de viver muito por causa de futebol e banalidades. Achávamos que tinha a vida toda pra viver, porém não vivemos. Depois de muito tempo entendi e me arrependo fortemente por isso.

Mesmo assim, após cinco anos, sinto que não fiz nada, como a música de Seu Jorge:

Porque eu não vivo há five years
Quase não vi nada nesses five years
Estar no mar azul é meu viver há five years
Ir de norte a sul é minha sina há five years

Mas ao mesmo tempo, olho tudo que passou, e constato que fiz sim. Fiz pra caramba. E tô feliz com isso. Esperei tanto pra ter cinco anos de tudo que tivemos, pra tentar entender ou buscar algo, mas no fim das contas, percebi que tudo isso era pra encerrar um ciclo. Pra que essas palavras passem de uma mera mensagem da minha cabeça e se torne esse texto. Que todos saibam. E que tenha minha paz de espírito, talvez.

Sinto sua falta, amo e sempre amarei nossa história! E não há razões pra esconder ou negar isso. Que possamos ter a plenitude da felicidade e amor, tal como tivemos por tantos anos.

Like what you read? Give Cesar Eduardo a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.