Sobre valores…

Não é um texto sobre o que eu acho ou então, algumas citações acerca do tema, mas apenas um breve relato do que aprendemos com nossas pequenas e vice-versa.

Há duas semanas já ouvíamos alguns burburinhos pela casa, sempre anunciado pela agitação das nossas filhotas, que não sabem disfarçar sua ansiedade. Elas já estavam cientes de que este mês, o dinheiro estava curto, ou seja, certamente eu e minha esposa não comemoraríamos o dia dos namorados em algum lugar, como fizemos algumas vezes.

Chegando próximo ao dia, nos pediram para cada um escrever uma carta, uma declaração um para o outro. E a cada instante éramos cobrados a entregar a carta para elas, pois senão não nos deixariam em paz.
 No dia dos namorados, eu e minha esposa tivemos um dia quase normal, trabalhei durante o dia e ela ficou comigo durante quase a tarde toda. Chegando à noite, fomos literalmente trancados pelas nossas filhas em nosso quarto. E não poderíamos sair de forma alguma, estávamos proibidos de circular pela casa. Tanto que ficamos jogando cartas enquanto éramos reféns das duas pequenas.

Depois de uma hora, aproximadamente, fomos liberados para sair do nosso quarto. Nos deparamos com uma sala com os móveis fora do lugar, com uma mesa ao centro da sala, uma toalha branca cobrindo-a, talheres e duas taças sobre a mesa. Havia também uma trilha sonora romântica com clipes em nossa televisão.

Fomos recepcionados pela Emely, com um cardápio na mão, nos conduzindo até nossos lugares. No cardápio não havia o menu da noite, apenas o trecho de um belo poema falando sobre o amor. Instantes depois serviram nossas taças enquanto aguardávamos o jantar que estava por vir.

Notei que nas paredes, primeiramente havia um cartaz enorme onde dizia: “proibido celular” e mais alguns pequenos papéis colados nas paredes, com frases românticas. Instantes depois, fomos servidos pela Erica, que fez o jantar e ambas fizeram depois, a sobremesa.

Algo simples sim, um jantar nada sofisticado, muito menos em algum restaurante conhecido por muitos, nem apareceram fotos nas redes sociais e muito menos um check-in denunciando nosso passeio.

Creio que nesta noite eu pude reaprender e reafirmar os valores que tentamos passar para nossas pequenas que, com um gesto carinhoso, nos concedeu umas das mais belas noites de nossas vidas. Pela data comemorativa sim, mas muito mais pelo gesto que elas demonstraram por nós que, que confesso, talvez elas valorizassem muito mais do que eu, até aquele instante.

Curtir isso:

Curtida Carregando…

Relacionado


Originally published at oeudemuitos.wordpress.com on June 17, 2015.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.