A desimportância da TV Digital

Dia 26 de outubro o sinal analógico de televisão vai ser desligado em Brasília; a capital federal será a primeira cidade a ter sinal de televisão 100% digital.

A cidade está cheia de propagandas avisando do desligamento, como essa do lado, para lembrar aos transeuntes, motoristas, passageiros etc etc etc que o desligamento ocorrerá dia 26 e que, se você não se digitalizar, ficará sem a sua querida TV aberta.

E, ainda assim, com as emissoras fazendo propaganda direto, com um enorme A avisando do desligamento, com as telas avisando do desligamento, ninguém se importa com o desligamento da televisão aberta analógica.

E com toda razão.

Vamos lá: qual é a grande vantagem da TV digital sobre a analógica, dessas que fazem você migrar na hora?

Mobilidade? As pessoas viram que todo mundo instalou TV em tudo que é lugar por causa dos grandes eventos e resolveram gastar a bateria do seu smartphone com Whatsapp e Facebook.

Qualidade de som? Pra quem não tem Dolby whatever no seu home theater, não faz diferença.

Qualidade de imagem, sem fantasmas etc? A imagem do sinal analógico, quando a antena está bem focalizada pelo antenista, pode ser vista suficientemente boa.

Sinal HD? HD é ótimo, mesmo… para tecnófilos. Aliás, HD pode até ser um problema, dependendo de como o maquiador do programa de TV esconde — ou não — imperfeições no rosto.

Interatividade com Ginga? Morreu, fique com Deus.

E aí sobra um motivo para digitalizar a TV, que influencia marginalmente a vida das pessoas: liberar faixa para o 4G na Banda 28 (700MHz). Acaba sendo o único motivo relevante para a digitalização, porque banda para 4G nunca é suficiente para saciar o desejo das pessoas por mais vídeo, mais áudio, mais tudo online.

Não por acaso o desligamento da TV analógica só vai até 2018, quando toda a faixa vendida para o 4G na Banda 28 (700MHz) for devidamente liberada para os operadores de telefonia móvel nas regiões onde há problemas de ocupação de banda. Depois de 2018… ninguém sabe, ninguém quer saber, ninguém se importa.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.