A Era do Fandom: os missionários do TIM Beta nos comentários do Tecnoblog

Estamos na Era do Fandom, em que as empresas buscam não só consumidores fidelizados, mas fanboys; não gente que seja capaz de analisar um produto, mas gente que defenda um produto/serviço como se disso dependesse a própria vida; não gente que recomende seu produto/serviço, mas gente que considere a conversão dos não-iluminados como uma obrigação. No Brasil, isto é ainda mais forte; afinal, este é o país onde até emissoras de televisão tem fanboys.

Vamos a um exemplo disso, num setor que, pelos mais diversos motivos, racionalmente não deveria ter fanboys: telecomunicações.

TIM Bewhat?

O TIM Beta é um conjunto de planos da TIM voltado para o público jovem, com planos bem interessantes em relação à média do mercado; é necessário ter um convite para ter acesso aos planos, e com um sistema de pontos que envolve uso em ligações, SMS e diversas redes sociais (quem nunca foi pesquisar um tópico popular no Twitter e foi inundado de #OperaçãoBetaLab e outras hashtags correlatas?), é possível alcançar o nirvana do TIM Beta Lab, com ofertas melhores e o direito de convidar outros Betas.

(é possível migrar para o TIM Beta sem convite, mas as tarifas não são tão boas, embora continue tendo a mesma possibilidade de virar um Beta Lab.)

Como as tarifas do TIM Beta são bem interessantes, especialmente para o público jovem, criou-se um interessante fenômeno. Em qualquer lugar que se permita comentários e se poste alguma notícia sobre novos planos das operadoras, rapidamente se materializa o Missionário Beta: alguém que aparece para anunciar aos gentios que o objeto do post não chega perto do TIM Beta em termos de valor. Ou então que a mudança ocorreu porque está todo mundo saindo da operadora X ou Y para o TIM Beta. Enfim, o Missionário Beta acredita e prega que o TIM Beta é a causa de todo o bem na telefonia brasileira.

E, de bônus, como estamos falando em caixa de comentários na internet, ambientes reconhecidamente civilizados e educados, rapidamente aparecem também os Betahaters, gente que responde ao Missionário Beta com adjetivos educados sobre a operadora; afinal hater e fanboy se atraem, alguns dirão que são duas faces da mesma moeda, mas não estamos nem perto de uma Teoria Geral do Fanboyismo neste post, então vamos em frente.

Um teste na prática

Para isso, fizemos um pequeno teste: visitamos o Tecnoblog (para quem não conhece, um blog de tecnologia em geral, com um público bem variado, mas em geral jovem, como em geral são os blogs de tecnologia).

Fizemos um apanhado rápido de posts dos últimos 12 meses envolvendo mudanças de planos e preços das operadoras e planilhamos dados sobre os comentários. Nada cientificamente sofisticado, nada estatisticamente grande, só um recorte em um blog que tem um grande número de leitores e comentaristas dentro do público-alvo do TIM Beta:

Isso mesmo: mediana, média e desvio-padrão de 9 items. Os estatísticos choram.

No caso do universo (pequeno, é verdade) de posts, é praticamente certo que na primeira hora aparecerá alguém falando de como o TIM Beta é bom e tal (ter surgido um ponto fora da curva puxou a média e particularmente o desvio-padrão para cima), acompanhado de uma discussão sobre prós e contras do TIM Beta que, em geral, tangencia mas não entra em argumentos econômicos e outras racionalidades. E, em 4 dos 9 casos estudados, o comentário do Missionário Beta foi o primeiro.

Certamente serão necessárias mais pesquisas em outros blogs, portais e fórums; mas acho que é um bom indicativo de que, se o objetivo da TIM é transformar o usuário do TIM Beta em fanboy, está num bom caminho.

Like what you read? Give Cesar Cardoso a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.