Espera

A grande farsa passando na tv, a fila não anda, o senhor à minha frente cheirando a algodão doce e vontade de partir, os ventiladores num ritmo tão enfadonho quanto essa vida que tem tardes, não passa. Queria despistar os pensamentos que compunham uma valsa sobre nós dois, o café da esquina na xícara mais delicada, o jornal de um dia qualquer de 1996 que não dissesse nada mais importante que a tirinha da Re Bordosa, queria ser outra pessoa andando apressada nas ruas do centro escaldante, qualquer uma, aquela com o sorriso pendendo nos lábios e os chinelos deixando sujar a barra da calça jeans. A senhora chega exibindo orgulhosamente gotículas de suor no buço e na testa, dirigindo-se imponente ao guichê, balançando o cartãozinho como um juiz de futebol exaltado, quase feliz, vitoriosa. Eu era apenas a mulher de meia idade carregando livros, as primeiras marcas de expressão na testa e olhos, ondas de calor deixando as faces meio rubras - vestígios mal disfarçados da valsa estridente tocando na minha cabeça - eu, quase ninguém sob o peso dos ponteiros do relógio incansável dando eternas voltas nessa tarde que não passa.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.