Acho bastante interessante o ato de fetichizar as ações humanas. Sou adepto à esse movimento interior que me permite amplificar em proporções oceânicas as emoções e pequenos gestos. Fetichizar é uma forma de conjugar aquilo que não é verbo. Não é verbalizar é mais que isso, mantém a essência e amplifica-a. Como da vez que ouvi, em pouco tempo, o sorriso e fetichei; tornei único para mim — dentre outros que saíram dele. Idênticos, contudo tão diferentes. Esconde, cada um, em si um segredo; uma formação. Cada sorriso não é uma expressão do mesmo, é outro. Nada permanece igual, tudo muda. É o que a natureza ensina. A PERMANENCIA É SEM GRAÇA! A estabilidade é uma miragem, uma falsa sensação de que tudo tá bem, que tudo fica. Mas, novamente, tudo muda. Tudo se redefine, o fetiche se encontra em um espaço e tempo que nunca é encontrado novamente. O tempo vai e vem, vamos para demasiados lugares. Nada é igual. Talvez pudéssemos encontrar um sentido na ausência dele, mas logo se esvairá, pois tudo muda. O momento é mágico, o agora é incrível. Eu me sinto, eu sou e nós sabemos disso. Decidimos então aceitar e ser, aquilo que muda eternamente. Permanecendo, apenas dentro de nós.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.