Às vezes você só precisa mandar tudo à merda

Quero que você pare um instante, respire fundo, pense sobre o título desse texto e se pergunte: – Porque não?

A nossa vida é uma loucura. Loucura mesmo. São centenas de compromissos, milhares de obrigações e apenas 24h para lidar com todas essas pressões.

Ei o tempo tá passando… e a faculdade, terminou? A pós já começou? E as namoradinhas e namoradinhos? Vocês já estão juntos há 5 anos, não está na hora de casar? Você viu? O filho da Cidinha acabou de comprar um apê. Quando vai comprar o seu?

Como um morro em pacificação no Rio de Janeiro, é tiro, porrada e bomba para todo o lado.

E às vezes (quase sempre) no desespero de preencher todas as lacunas e corresponder às expectativas a gente se anula.

O que os seus pais, seu namorado ou namorada, enfim o que a sociedade espera de você é muito importante, disso sabemos. Mas e o que você espera de você mesmo? É o que?

Sabe, a vida é como um daqueles jogos de fliperama antigos e a gente só tem uma ficha. Se você não for esperto leva “Game Over” sem sequer perceber.

Por isso é muito importante que você faça o seu tempo valer a pena. Por favor, não interprete mal o que digo. A gente têm deveres e obrigações a cumprir, é o preço a se pagar por viver em sociedade, a gente cede um pouco ali, ganha aqui e assim vai. Então basicamente o que quero dizer é que não dá pra levar a vida totalmente do jeito que a gente quer, mas se você conseguir um acordo de no mínimo 50/50 já é um ótimo começo, claro que no final do mês os boletos ainda chegam e se você quiser comprar aquele novo Iphone vai ter de ralar. Mas se no meio disso você encontrar tempo e coragem para fazer o que realmente te brilha os olhos, você se deu muito bem.

As pessoas vão cuspir opiniões, vão dizer que o que você quer fazer é estupido, que não dá dinheiro, que você é irresponsável, que você não devia ter começado o que não vai terminar, que você não pode fazer isso ou aquilo porque onde já se viu algo assim?

E se eu posso te dar um conselho, é:

Fuck the police!

Brincadeira, na verdade é:

Ouça o que elas têm a dizer, se for de coração considere. Coloque entre os prós e contras da sua decisão, por outro lado, se for apenas balbúrdia da oposição, diga um sonoro:

- Cara, vai à merda.

Mas diga com vontade e do fundo do seu coração:

- Cara, vai à merda. Sério.

Libertador, não? É, eu sei.

Essa é a sua história, só o acaso e você podem escrevê-la. Não tome ditado da vida e da realidade de outras pessoas, a menos que elas se chamem Nostradamus ou sejam o Polvo da Copa que adivinhava os jogos. Aí sim tome nota, e se alguma delas for sobre meteoros, a destruição mundial ou um novo 7x1 por favor, notifique a NASA ou mude de nacionalidade.

PS: Não esqueça de anotar data e coordenadas do meteoro e/ou de participar do bolão da próxima Copa.

Brincadeiras, à parte. O que eu realmente quero você leve dessa nossa “conversa-monologo” é:

Viva as suas vontades, realize quantos sonhos puder (sem se tonar um cuzão egoísta ou esquecer as pessoas que te amam, isso é muito importante. Sublinhe isso). Tente não ser esmagado pelas expectativas alheias. Não se prenda a nada que te faça mal. Respeite o seu tempo e tenha paciência consigo mesmo, cada pessoa vive em fuso-horário diferente e na vida não há garantias, mesmo que você curse a melhor universidade, fale inglês, francês, tailandês e chinês.

Um cara, sem dedo, não fez nada disso, mal fala o português formal e foi Presidente do Brasil. Lembra? E em contra-partida existem mestrandos que são moradores de rua.

Então repito não há garantias.

E por um último, e mais importante, se precisar mande tudo à merda.

E recomece.

Like what you read? Give Charles Omoregie a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.