A incrível geração que está cagando para os seus protocolos sociais
Débora Nisenbaum
1.7K116

A geração Y é uma geração que tem acesso a toda a informação através de um clique do rato. Com as novas tecnologias aprendem mais depressa e vivem as coisas com maior intensidade do que aparentam. É a geração que vê e aprende não só com os próprios erros como com os erros dos seus pais e avós. Não somo pessoas apegadas ao que há, mas antes aventureiros. Um dia estamos cá, outro dia não. O que interessa nos agarrarmos às coisas e às pessoas se nada vai connosco? Não obstante, não deixamos de amar as pessoas à nossa maneira, de respeitá-las à nossa maneira. Se a relação não dura, melhor dar um fim do que viver uma mentira, se uma trabalho não nos permite crescer a nível pessoal, é saltar fora e agarrar outras oportunidades. Não conseguimos ser falsos para connosco próprios, preferimos optar pela transparência e pela facilidade de acesso dos recursos para todos e se não vemos isso seja na política, nas leis implementadas, na família, nos amigos, a tendência é quebrarmos os laços e partirmos para outra para nosso próprio bem. Ser preguiçoso é sinal de inteligência. Quem tem tempo para pensar tem tempo para criar novas ideas, melhores práticas seja na vida pessoal como laboral. Parece que não saímos do mesmo sítio mas dentro de nós tudo é possível e tudo muda, mesmo que à superficíe não pareça. Quebramos todos os protocolos porque sabemos que os protocolos são só fachada barata para prender as pessoas a uma vida miserável de trabalhador simplório com família para sustentar e uma lista de sonhos por cumprir que ficaram na gaveta. A vida não é só trabalhar e procriar, tem muito mais para nos oferecer. Se não estamos cá para quebrar as regras, para errarmos e aprendermos com os nossos próprios erros, para evoluirmos, para trazer o nosso melhor, para cumprirmos com os nossos sonhos, para acima de tudo sermos felizes só e apenas como o que somos e apreciar esta bela jornada chamada vida, então diria que a nossa existência não tem qualquer fundamento.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Cheila Ng’s story.