40° graus

Sai sem rumo até abrir a tampa da garganta de volta e fechar a torneira dos meus olhos, gritei muda como se estivesse afogada, percorri o caminho correndo como se não tivesse pernas, o vulto vermelho passou com letreiros alaranjados from hell do céu, peguei como se fosse cometa.

Nada parava dentro da minha cabeça, ainda tinha o barulho da lápis batendo na madeira acelerando e ainda tinha o barulho de liquidificador como se tivesse batendo os meus miolos, tudo isso enquanto eu tentava sossegar minha cabeça com música mas não dava…

Não parava.

Escorria choro, escorria eu, suor, calor, sufoco, coração acelerado, e as pernas as pernas não paravam…peguei papel e caneta.

Desliguei.

Acordei na porta de casa, abri a porta, deite na cama.

Você havia postado.

Quem sou eu quem é você?

Quem habita minha cabeça?