Estetica de caos

Se nessa estética de caos me perco ja nem sei mais onde me encontro

Esquina a esquina escrita a história do mármore as faixas de segurança

Lapido chapisco em meio a letras soltas

Resistência em uma cidade aonde não se basta respirar pra existir

Grito de tinta

Visão invisivel

Choque improvável

Quem da mais vida ou questionamento a espaço isolado

Vejo o que ninguém ve

No meio dessa noia cotidiana chamada de rotina

Desconstruo e reconfiguro

NY não é cidade mas valvula de escape

Fosco

Foge

Como se fosse tudo impregnando gota a gota em matéria saindo do abstrato

Ninguém me diz o que fazer

Criei minhas leis terapia

Criação e criatura

Através de química

Nunca disse qual…

Licença poética de rua