Eu sempre tenho uma experiência de quase morte mas fico viva pro próximo capítulo.

Ontem foi bem diferente, a começar que quem veio em pleno meio dia me convidar pra passear no parque foi tu, e que após eu prometer nunca mais te convidar pra nada foi uma grande surpresa. Bebemos, andamos de mãos dadas o tempo todo, como sempre acontece, mas alguma coisa sempre esteve estranha ali…aquele era o dia.

Após o sol começar a esfriar nos dirigimos em direção de casa, tua casa por que eu sempre acabo lá, só Deus sabe quando que eu vou parar la de volta depois desse texto até pq ja ta mais que na hora de voltar a vida, te destruí e reconstrui oitocentas vezes dentro de mim desde que cheguei.

Tomou remédio deitamos na cama apagamos as luzes e acendemos o abajur que te dei, Boards of Canada foi a trilha pra eu não martirizar nenhuma letra, instrumental tava bom, passamos para The XX mais tarde e como um tiro na cara tu colocou Milky Chance. Encontramos uma brincadeira pra vodka ir mais rápido…ela foi. Nos conhecemos melhor e nisso descobri que te conheço melhor do que imaginava e que respectivamente tu também me conhece melhor do que eu esperava, a conclusão é que somos mais parecidos que imaginávamos e que ambos não temos mais cura, não sei se tem mais volta.

Hands to myself

Deitamos ouvimos Cassia, cantamos abraçados quase que inaudível e tu recitou Vinicius, um soneto de Vinicius e justo o de fidelidade, ficou minutos balbuciando baixo até completar em meia voz e eu to chocada até então, não tinha como não me apaixonar por ti.

Te falei tudo isso em alto e bom tom após teu corpo ter feito parte do meu e expliquei que estava deixando ir pq sabia que nunca iria dar certo

nós

Não doeu, aliviou, pude te abraçar repousar minha perna sobre ti e me encaixar perfeitamente e discutimos em como as nossas posições eram as mais criativas…falei que eu tava feliz por poder ter aquele prazer sem culpa e foi assim…uma conversa leve, teu beijo não quase me matou mais, teu corpo não mais me consumiu em chamas as quais eu nunca tive controle e foi então que eu percebi…eu tinha te deixado ir, livre pra onde quisesse voar, e eu poderia ir também

Going on — gnarls barkley

E tu poderia me contar qualquer coisa e eu também, e eu podia ser eu finalmente, só eu assim sem enfeite nenhum sem me culpar se tu iria me aceitar ou não e deixei claro que se tu fosse embora eu jamais iria me culpar por que eu fiz tudo possível. Tu falou que deveríamos comprar um barco, um barco a vela e eu sorri, pq eu não preciso mais de âncoras, espero que tu também consiga te livrar da tua.

Me perdi de volta dentro de mim e não consigo terminar.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.