Sobre ficar ou deixar ir…

Passei alguns dias pra perceber que tu já tinha ido embora e que eu bravamente tentava te fazer ficar, queria ser uma dessas pessoas que se conformam fácil,mas eu simplesmente não consigo, se você estiver lendo esse texto agora, nem por um momento pense que isso é um texto de superação até pq superação ta na minha lista de esperanças durante a vida. Isso é mais um texto pra compartilhar, todas as vezes que alguém me fala que ta passando por algo semelhante eu sinto como se a carga diminuísse, o meu emocional é algo bem tenso e muito pesado não é muita gente que aguenta o baque não, mas eu gosto de desabafar pq eu acho que lendo as vezes da pra me entender melhor ou simplesmente não da para me entender como tu bem disse.

Esses dias atrás já fez um mês e eu acho que estamos quase beirando a dois e ainda não consegui chegar em um capítulo final, parece que nunca conseguimos. Foi quando eu finalmente percebi que a única coisa que impede sou eu, eu que te coloco leão imperador no meu pedestal da vida e ali tu vira âncora, demorou um tempo sabe pra perceber todas as fantasias da minha cabeça e perceber que aquilo não era amor velado e sim indiferença e que eu continuava ali presa a ti enquanto tu ja tinha partido fazia tempos, partido literalmente e o que sobrava de mim e de nós tu partiu também. Levou um tempo pra perceber também a fantasia de que nunca fomos exclusivos, sempre teve mais um espectro rodando e no fim acho que tu nunca conseguiu te desligar, eu era uma diversão afinal, acho que até me sinto bem em ter algum proveito cômico na vida de alguém, pq pra mim depois de um tempo tudo isso foi avassalador e trágico, eu nunca tinha me visto assim prostrada no chão ouvindo jazz e tomando conhaque rabiscando letras de músicas em plena segunda feira. Eu tinha projetos eu tinha trabalhos mas a única coisa em que conseguia trabalhar era no meu próprio martírio em relação a nós (se tu leu este texto até aqui provavelmente percebeu que eu não quero deixar ir mas logo o texto deveria ser sobre o sofrimento de superar algo nocivo), a questão é: não te deixo ir. Mas quero, quero poder redigir meu texto a outros semblantes que não o teu, poder descrever outros cheiros, e usar outras analogias por que parece que a tua jamais me cansa, mas eu já to cansada. Amor não é assim sofrimento, não é essa doação de um único lado, nem essa projeção toda que faço de ti ser perfeito, não escrevo teus defeitos pq guardo todos para um texto (livro, lido, livramento), e nem sei se é defeito sermos opostos, como tu diz quem sou eu pra julgar.

Uma certeza eu tenho, esse não é o primeiro e provavemente não vai ser o último emaranhado de palavras escolhidas aleatoriamente pra falar de nós. E espero que esse alinhamento em leão te traga um pouco mais de paz.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.