Tempo

Tempo é engraçado.

Não engraçado do tipo “haha”. Mas, engraçado do tipo “te odeio”.

Tempo não esta a favor de nenhum homem, mulher ou criança. Tempo odeia todos. Ponto.

Quando você precisa “voltar” para consertar algo, tempo sempre acelera tudo ao seu redor (de uma forma tão injusta, que um piscar de olhos pode lhe custar horas).

Quando você espera por algo em um futuro “não tão distante”, ele parece se arrastar dolorosamente devagar até você sentir vontade de morrer de ansiedade (as vezes até morre).

Quando o tempo é perfeito do jeito que você gostaria, você está tendo um déjà vu (bastante conveniente).

Se você é um bebê ou uma criança, você tem mais tempo do que precisa. E ainda sim, mesmo tendo todo o tempo do mundo, você só consegue pensar em: “Quando eu vou estar velho o suficiente para fazer tudo o que quero?”.

Quando finalmente está velho, você ganha sentimentos nostálgicos da época que era jovem e pergunta para si: “Quando foi que o tempo passou?”.

E chegando nos estágios finais da sua vida, percebe que não tem mais aquele tempo livre para fazer exatamente o que gostaria de fazer sem inevitavelmente esgotar o precioso pouco tempo que te resta.

(Ironicamente, eu acabei de experimentar um “déjà vu” enquanto deslizava os dedos no celular para digitar a última linha.)

Fato. Todo mundo odeia o tempo. Criança, mulher ou homem, tempo não favorece nenhum deles.

Mas, é um “te odeio” engraçado. Com certeza não é do tipo “haha”.

Tempo é engraçado.

Adaptado de um texto que eu gostaria de ter escrito.