3G

Moro numa casa que era de meu avô. Ele foi o primeiro proprietário, lá por 1950. É importante frisar que a casa nunca passou por uma reforma. Portas e janelas foram trocadas, a TV gigante que pesava uma tonelada foi substituída por uma de LED finíssima e levíssima, móveis foram trocados mas a casa nunca recebeu uma reforma. Até o sofá de alvenaria da sala permaneceu o mesmo.

Exatamente no dia que ele se foi um gato resolveu me acompanhar do caminho da padaria até a, agora, minha casa. Ele entrou, deitou no sofá, dormiu e nunca mais foi embora. E agora?

Bom, agora precisamos de um guizo bem bonito, elegante, imponente, que mostre que aquele gato, ou melhor, aquela gata, não é mais de rua. Ah sim, tem também o supérfluo, como caixinha, areia, arranhador e, já estava quase esquecendo, a ração. Coloquei a caixinha de areia na área de serviço, e rapidinho o gato — desculpem mas eu só chamo ela de “gato”, no masculino — começou a roer a parede próxima à caixinha. Essa parede é dos fundos da casa, que fica literalmente colada com outra casa. Assim como rapidinho o gato achou uma rachadura na parede, rapidinho também ele começou a tirar a tinta, o reboco, e roer o cimento. Mesmo eu brigando todos os dias, a cada dia tinha uns milímetros a menos de cimento na parede.

Até que, um dia, eu vi ele roendo e percebi um tecido, parecia uma camiseta. A curiosidade bateu mais forte, peguei uma colher e comecei a raspar. Fui indo até descobrir que aquilo se tratava de um braço. Não me perguntem o que aconteceu, mas continuei raspando até chegar num dos lados e, com sorte, cheguei na mão. Pra minha surpresa, o homem mumificado estava segurando um iPhone 3G, daqueles que não tinham nem internet 4G. Ver isso me deu um calafrio! Senti cada cabelo dos meus braços esticando e a pele estalando. Fui correndo à loja de material de construção, comprei cimento, argamassa, tinta e todo o resto, cobri o buraco novamente, pintei a parede toda e troquei a caixinha de areia de lugar.

Ninguém merece lembrar que um dia a internet no celular era lenta!

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Chris Lopo’s story.