amor
eu o sinto
então escrevo
do fundo do peito
a mais bela
agonia inquieta
de ser e estar e ter
o que se é livre
mas não me livre
de tua pele
e o que sinto
trago comigo
contigo ao lado
e dentro
e em mim
como o céu
sem início
sem fim

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.