Há um grito preso em minha garganta

Ele fala sobre a minha momentânea perda da esperança

No mundo, nas outras pessoas, sim

Mas fundamentalmente em mim

Na minha capacidade de resistir e seguir vivendo

De encontrar força ao ver tanta gente sofrendo

E o quanto vim morrendo

Ora tentando justificar,

Ora tentando não olhar,

Ora tentando ajudar

Mas perdi o meu lugar

Não me encontro mais em mim,

Não encontro lugar no mundo.

Temporariamente, ao menos,

Desaprendi o significado de tudo.