Você é mulher e gosta de futebol?

Sim! Sou uma mulher cisgênera, que se reconhece com o gênero pelo qual fui biologicamente instituída, e AMO futebol. Por que esta afirmação ainda causa tanto espanto em pleno 2017?

Para mim, futebol é uma das principais formas de socializar. “Pois é, o Inter agora parece que embalou né?”; “Tu viu o Botafogo superando as expectativas na Libertadores?”; “Preciso reconhecer que o co-irmão está bem”; ou ainda, “Olha, acho que aquele lance duvidoso da rodada do final de semana não foi pênalti mesmo”.

Estive alguns dias viajando e praticamente todas as minhas conversas com os motoristas de Uber e outros homens foram sobre futebol. “Você gosta de futebol mesmo, hein” ou então “É, parece que você entende de futebol mesmo”. Homens, “sejem menas”, por favor. É tão legal encontrar um cara com quem tu entras em algum assunto relacionado ao esporte mais popular do Brasil e ele continua de forma natural sem fazer um grande acontecimento sobre o fato de uma mulher estar conversando “de igual pra igual”, como se isso fosse impossível porque eu tenho um sexo biológico diferente do dele.

Não é o gênero que define a minha capacidade de compreender a regra do impedimento (e por favor, mudem o roteiro das perguntas porque essa já está bem clichê). Não é o meu gênero que me faz saber a escalação do Inter Campeão do Mundo em 2006, é a minha memória, e ela falha de vez em quando. Meu gênero não significa que eu vou ao estádio para ver homens, é o seu preconceito.

Ser mulher e gostar de futebol não é nada fácil (como já falamos aqui no blog). Parece, inclusive, que está cada vez mais difícil, até porque o esporte ainda é tomado por atitudes e hábitos machistas, que nós mesmas reproduzimos muitas vezes de forma automática. E é justamente por isso que penso sempre ser válido questionarmos esta situação. Sim, somos mulheres e gostamos de ir ao estádio apoiar o nosso time. Somos mulheres que entendem de futebol e vão além do clubismo. Sim, somos mulheres, gostamos de ver a bola rolando no gramado por 90 minutos, depois acompanhar a coletiva, ler diariamente notícias sobre o assunto e debater com outras pessoas, independente do seu gênero. E o mundo vai ter que aceitar isso algum dia.

Texto originalmente publicado no blog Futebol Por Elas

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.