As vezes parece que as pessoas gostam de sofrer, gostam de se sentirem infelizes ou de buscarem por aquilo que as fazem mal.
Optam por viver em um mundo submerso cheio de angustia e dor, onde não há luz, mas onde há vestígios de drogas, álcool e excesso de infelicidade.
São pessoas que não buscam pela graça da vida, mas agem como se a desgraça fosse a grande graça de tudo, como se a dor de uma mutilação fosse o grande ápice de tudo o que se é capaz de sentir.