Não tem título

pior que viver de criar jogos é perceber que você entrou em um que não queria jogar. assim, sem se dar conta.

de repente você também começa a fazer manobras, só pra desviar das que criaram pra te confundir. você desvia, distrai, tenta enganar o adversário.

mesmo que o adversário já tenha sido um cúmplice antes. no jogo, foda-se. o importante é manter suas verdades sob controle.

a partir daqui não se sabe mais quem manda, ou o que significa perder e ganhar. só existe manobra. manipulamos, mas não começamos, nem colocamos fim.

porque o jogo pelo jogo não tem propósito. não tem fim. diferente de uma disputa, onde existe vontade, sangue, suor e porquê. no jogo só tem medo. pra caralho.

quando desistirmos dos jogos em que ninguém ganha, significa que aprendemos um pouco sobre coragem. e, na minha opinião, ter coragem é a coisa mais importante do mundo. ~means~ mais do que vencer.

porque tem verdade em jogo.

eu não tenho religião, mas acredito, sobretudo, que a coragem é a quintessência de uma pessoa confiável.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.