Expandindo as possibilidades

Olá,

o relógio do computador marcou 00:00 e achei que seria o horário perfeito para começar este texto.

Faz pouco mais de um ano que eu anunciei neste blog o início de uma Jornada de Aprendizagem autônoma inspirada por alguns amigos e conhecidos da rede empreendendo seus Doutorados Informais.

Tem sido um processo muito bacana de aprendizagem, no qual me foquei no desenvolvimento do que me levou de encontro a uma graduação formal em Audiovisual, focando em algo que me toca "Narrativas Audiovisuais de Ficção e seu Papel na Transição Planetária".

Já aprendi um tanto, organizei estudos e formações, conversei com gente bacana e o projeto que me propus a realizar (1 episódio piloto de uma série de ficção sobre adolescentes em passagem para a vida adulta descobrindo que os limites do que conhecem como liberdade e segurança) está caminhando!!!

Mas recentemente eu me dei conta de que para que ele realmente seja concluído eu vou precisar de mais do que apenas o estudo da parte narrativa enquanto escrita, enquanto criação e mesmo produção. ( e não estou falando de dinheiro ou equipe, fiz uma formação linda em captação empoderada e estou iniciando um time dos sonhos massa!)

É que este projeto nasceu de um desejo de pré-adolescência de interpretar alguns perfis de personagens femininas. Ele nasceu em uma época em que ensaios de dança eram uma das atividades mais esperadas da semana e as criações passavam por diversos tipos de artes performáticas. E elas nunca pararam, só foram direcionadas de outra forma e com o tempo diminuíram de ritmo.

O fato é que mesmo introvertida e sonhadora por essência, eu me conecto demais com a arte da escrita, mas continuo me sentindo muito mais uma pessoa de ensaios do que alguém de reuniões.

E ninguém definiu que é preciso ser uma coisa OU outra. E neste processo, mesmo via estudos teóricos ou individuais eu tenho notado cada vez mais o corpo. O movimento, tensões, voz, motivações… isso se fortaleceu pouco mais de um ano atrás quando tive contato com o Teatro Social da Presença. Depois em contatos pontuais com diferentes tipos de dança que para mim ainda eram desconhecidas, então veio a magia do encontro tão esperado com ferramentas de Stanislavski e logo após algumas transições e trabalho com o chakra laríngeo, percebendo a importância da comunicação para o meu ser, ficou claro que não dava mais para adiar, fugir, nem fingir.

Meu D.I. se extende, emenda ou seja lá qual for a definição em algo que se move pelas Artes Performáticas.

Eu senti mais dificuldade de encontrar o tema central aqui do que o Narrativas que iniciei ano passado, que era algo eu estava trabalhando e compartilhando de certa forma há bem mais tempo.

Então surgiram 3 temas pulsantes:

  • Trabalhar as narrativas de ficção para a transição planetária enquanto interprete/ atriz.
  • Estudar os chakras e processos de campo energético com suas ações no corpo e sistema de comunicação.
  • Interpretação e conexão em comunicação para introvetidos.

O primeiro é uma extensão direta do trabalho de texto e realização audiovisual que já venho fazendo e sinto que não tem muito como eu me distanciar disso, pois já uma de minhas principais buscas.

O segundo é um estudo de espiritualidade e conexão com o meu corpo e o planeta Terra em sua matéria que tenho sentido há algum tempo, principalmente via estudos e projetos do meu empreendimento socioambiental, a Radiko.

O terceiro tema eu vou buscar de qualquer modo, com ou sem o D.I. e quanto mais eu demorar para me conectar, mais desafios terei. Eu ainda acredito que já exista material sobre isso, mas ainda não achei nada de representativo. É uma questão de essência, pois é como interajo com o mundo e recupero minha energia, fica impraticável até estudar sem uma ferramenta para isso, porque praticamente tudo é desenhado no sentido oposto.

Eu ia lançar as 3 bases, jogar o texto sem decidir e ir sentindo por um período, e ouvir possíveis dicas da rede. Mas antes de ontem, tive uma conversa bem produtiva com minha buddy de co-aconselhamento e enquanto eu contava a ideia, percebi que a decisão já estava se apresentando para mim.

Em extensão à busca dos elementos ficcionais que fortalecem as narrativas e exemplos inspiradores, o trabalho no corpo requer uma comunicação um pouco diferente, e o trabalho com o campo sutil já me atrai! Então o tema 1 vira impulso para o tema 2 :)

O terceiro vai ser uma ferramenta essencial de estudo, e assim que eu tiver materiais específicos dele eu vou compartilhar para todo e qualquer intro e ambivertido que possa se beneficiar dele. E se você lendo aqui conhecer algum material deste tema, compartilhe por amor nos comentários.

Então com gigante satisfação e ao som de Goldfinger, eu lanço ao mundo minha jornada de aprendizagem em ação cujo título ainda está em processo. Já tenho uma lista de atividades desenhada e algumas propostas em teste. Logo mais eu compartilho por aqui ;)

Linda jornada para você!

keep rocking