Por que é tão difícil acessar nossas verdadeiras emoções ? — Atenção CENAS CHOCANTES!

Estes dias eu estava lendo um roteiro de filme que me encaminharam, e depois de algumas cenas com violência física e imagens mais fortes, li uma cena na qual a violência acontecia de maneira mais sutil, algo que no dia a dia poderíamos deixar passar, mas que derramava ali seu preconceito e convidava a empatia do espectador.

Até então o que eu havia lido tinha mantido certo grau da minha atenção e me chocado, aquela cena me tocou.

Mas de modo geral eu reparo que estes momentos são mais raros, tanto no que eu assisto quanto no que eu leio (de roteiros) .

Eu entendo que nossa atenção é chamada via cérebro reptiliano e todas as mídias estão competindo por ela de maneira feroz a todo instante. Mas no fim do dia do que é que nos lembramos? O que nos marca e nos transforma?

Sinceramente tua resposta pode ser diferente da minha, certamente existem algumas opções e pode ser que a minha passe longe da maioria.

Só que neste aspecto eu tenho um palpite que talvez não seja bem um dos casos no qual eu sou minoria. Sinto que isso é pouco trabalhado por outros motivos.

1 — Um dos motivos que me ocorrem sem grande esforço é que de modo geral estamos acostumados a criar e produzir desta forma, é o que é mais consumido e seguimos mantendo o padrão.

o que nos leva ao motivo numero 2

2- Nós escritores/ roteiristas não trabalhamos muito estes outros aspectos. Digo as escolas em geral nos ensinam a estruturar, formatar e até um pouco sobre narrativa e construção de personagem. Mas não tanto sobre sentimentos e conexões (alias, isso não acontece só no meio audiovisual, quase não vejo isso em nenhum lugar).

OBS: eu aprendi em diferentes lugares sobre polaridades, sensações básicas dos humanos e necessidades primarias. Mas estou falando de ir além disso ;)

Comecei a mais intensamente me aventurar como atriz e percebo que assim como na escrita, estamos acostumados a representar as coisas de uma certa forma. Geralmente ela é apresentada como a forma humana, primal, etc. Mas fato é que cada indivíduo tem reações diferentes de formas diferentes, partindo de uma combinação de fatores. Além disso, tem tempo que nossa sociedade esta desconectada da natureza dos instintos, isso tem motivos e consequência, o que talvez seja bacana de acessar. (ou talvez eu esteja viajando, o que pelo menos garante que sou uma escritora imaginativa :)

E então tive uma reflexão sobre o motivo numero 3.

3 — Nós humanos, bom talvez seja injusto generalizar assim, mas enquanto sociedade ocidental pós moderna, temos dificuldade de lidar com nossos sentimentos. Isso eu sei que mesmo concluindo intuitivamente não estou inventando. Pois a CNV (comunicação não Violenta) esta aí para nos mostrar que não sabemos nos expressar bem, e em geral somos ainda piores como ouvintes. Além disso Brené Brown nos da uma aula (ou um curso inteiro) sobre vulnerabilidade e nossa dificuldade em acessa-la.

A arte é um reflexo de nossa cultura, se estamos sintonizando violência, então é isso. Mas ela pode esconder algo mais profundo. Quando eu vejo algo extremo na tela, aquilo me choca e eu esqueço do que está por trás do processo, penso no sangue, na dor, no nojo, etc.

Quando vejo algo mais sutil talvez seja transportada para um lugar até mais desconfortável. Posso me sentir responsável por aquilo. O choque te remove do processo. Lembro que anos atrás uma professora de inglês compartilhou com a minha sala que um aluno teve um acidente de moto, ficou assustado e enquanto aguardava na delegacia olharam para sua mão e disseram para ele cuidar de seu dedo, que estava visivelmente quebrado. Só que ele não tinha percebido, não sentiu dor. Neste caso não é nosso dedo que está quebrado, talvez sejam nossos costumes, nosso coração, nossa noção de conforto.

Só que ao contrário de lidar com temas traumáticos e perigosos, creio que é aí onde criadores e realizadores tem sua grande oportunidade de conexão e transformação. Se o público vai reagir bem a isso? Talvez inicialmente seja desafiante, para todos nós. Mas enquanto sociedade merecemos está chance!

P.S.: Se você tiver uma visão diferente, algum questionamentos, reflexões, coloca nos comentários. É bacana ter diferentes pontos de vista.