Acidental

Quando veio a certeza

Não era mais o momento

Ainda assim

Você se jogou

Não desviou. Não ligou a seta. Não buzinou

Ponto cego.

O tempo parou. O baque veio. Coração se estraçalhou

Sem chance de defesa

Sangue estancado, pisado

O ontem, guardado no porta malas, voou para todos os lados

Fino, pontiagudo, rápido

A dor atravessou, virou a esquina

O estranho voltou a ser estranho

E o resto se encaixou

Para te proteger

No único lugar

Que realmente foi seu

Aquele pedaço

Quase esquecido

No porta luvas, dobrado

O mapa de você

Agora? Reaprender

Caminhos, bússolas, gps

Para si

(Re)sucitar você

Like what you read? Give Maria Clara Bezerra a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.