de 30 em 30 eu te vejo
acender seu Marlboro vermelho
na janela, na varanda, na estação
eu te elogio enquanto faz frio e você nega, diz que não

São Paulo não parece tão cinza
quando a mão que você segura é a minha