Por que não existe Dia Internacional do Homem?

Como hoje é dia 08 de março, Dia Internacional da Mulher, venho, por meio deste texto, responder ao questionamento feito anualmente nesse dia com esperança de que esse pare de existir — ou ao menos apareça com menos frequência. Por que não existe um dia internacional do homem?

Para entendermos o porquê da não existência dessa data, precisamos compreender bem os conceitos de machismo, femismo e feminismo e a diferença entre preconceito e opressão.

Simplificando, o machismo é a ideia de que o homem é superior a mulher, ideia essa sustentada pelo patriarcado, que é a origem de toda a opressão de sexo. Diferindo disso, vem o feminismo, que luta contra o machismo em busca de uma equidade social, econômica e política entre os sexos. Hoje em dia, é comum o uso da palavra “femismo” para ajudar a explicar que o feminismo não quer colocar a mulher acima dos homens, como faz o femismo. Femismo seria, na teoria, as mulheres se colocando acima dos homens e os oprimindo, sendo assim, o contrario de machismo e diferente de feminismo. Entretanto, na prática, isso NÃO existe.

Vale relembrar também que há uma grande diferença entre preconceito e opressão. Como explicado muito bem aqui e resumido agora, o preconceito é algo mais individualizado, não só a sociedade pode ser preconceituosa, mas um indivíduo em si. O preconceito é a tirada de conclusões precipitadas sobre uma pessoa, um grupo de pessoas ou até sobre uma determinada ação. As vítimas de preconceito são aquelas que sofrem com essas conclusões precipitadas (ou estereótipos) da sociedade sobre elas. Já a opressão, é estrutural. É quando a sociedade toda, por motivos políticos, religiosos ou outros, vai contra uma pessoa (um grupo de pessoas) por ela pertencer a um grupo mais marginalizado. Com as opressões, surgem as classes hierárquicas, fazendo com que a sociedade tem poder sobre esse grupo e, consequentemente, cresce com privilégios.


Como mencionado anteriormente, o machismo tem como sustentação histórica e cultural o patriarcado, que oprime as mulheres. Que poder as mulheres têm para oprimir os homens no ponto de vista hierárquico? Que base histórica e social existe para essa opressão? A mulher é oprimida e não opressora. Em nenhum contexto isso se altera.

Mulheres morrem por serem mulheres, homem não morrem por serem homens. Homens matam mulheres por serem mulheres.

Portanto, é possível afirmar que NÃO existe femismo, heterofobia, magrofobia, brancofobia e muitos outros casos de “oprimido virando o opressor”.

Ao entendermos tudo isso, fica fácil entender o porquê da não existência de um dia internacional do homem. Seria o mesmo de existir um dia da consciência branca ou uma parada hétero/dia do orgulho hétero.

Homens, OPRESSORES, não tem luta, porque já são privilegiados e já estão no topo da hierarquia. Não precisam de mais visibilidade, porque sua superioridade social já garante sua exclusiva atenção. Já as mulheres, oprimidas, têm direito a pelo menos um dia para promoção da visibilidade de sua luta.