carta a um amor que ainda vai chegar

eu estou quebrada. existem pedaços meus por todos os caminhos que ousei tentar trilhar. minha alma está armada, meu coração desacreditado e minha cabeça pronta para receber a próxima desculpa de alguém que só vai sugar a parte boa que há em mim, como um hobby, quando lhe é conveniente.

minha pele recua ao simples toque, pois desacostumou com o carinho genuíno de alguém que se faz presente. meu inconsciente foge quando é cercado, já meu consciente tenta se convencer todos os dias que eu penso estar sentindo algo por quem não devo, de que não sinto.

talvez você não entenda assim tão rápido o meu jeito meio desligado, despreocupado, meio tanto faz, mas que faça questão de mim. meu ciúme que eu finjo não existir, mas me corrói por dentro. minha esperança de que você não seja um grude, mas que demonstre todos os momentos possíveis o quanto eu, que não sei o que estou fazendo da vida, estou fazendo algo muito bom com a sua.

se esse dia chegar, o que você se apaixona por mim, insista. não desista se eu desistir no caminho. me mostre que meus pedaços podem ser recriados, que as feridas podem sarar, ainda que minha cicatrização seja horrível – deixa a queloide lá de aprendizado. me ensine a demonstrar afeto, possibilite que eu acredite em alguém de novo. some o seu mundo ao meu.

até que eu ande rindo por aí de novo quando lembrar que chegarei em casa e ganharei um beijo no olho.

Like what you read? Give Clara Mendonça a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.