Letter of Intent: Programa de Trainee J&J — Anderson Claret.

É com grande entusiasmo que escrevo esta carta de interesse para o Programa de Trainee da Johnson & Johnson. Me chamo Anderson Faria Claret, tenho 27 anos e sou natural de São José dos Campos — SP. Sou estudante de Engenharia Biomédica, na UNIFESP, e também possuo bacharel em Ciência e Tecnologia, pela mesma universidade.

Um dos maiores orgulhos que tenho foi apresentar o trabalho que desenvolvi na iniciação científica, no 1° Workshop de Inovação em Engenharia Biomédica, da UNIFESP, em 2015. Fazia parte do Grupo de Inovação Baseado em Imagens e Sinais, e desenvolvi um método automatizado para uma técnica de diagnóstico. Apresentar o trabalho que havia desenvolvido foi bastante gratificante. Todas as dificuldades que enfrentei ao longo da pesquisa me tornaram uma pessoa mais crítica e engajada.

Outra etapa da minha vida que me encheu de orgulho foi ser efetivado após o estágio. Durante o estágio, passei por dificuldades pessoais, e apesar de tudo, consegui dar o meu melhor e mostrar o resultado do meu trabalho e do meu esforço, que foi reconhecido pelos meus gestores.

Este ano tive oportunidade de conhecer a iniciativa dos Diplomatas da Saúde Mental, na J&J. A iniciativa busca criar um ambiente mais inclusivo para pessoas que estão lidando com doenças mentais ou que servem como cuidadoras. Logo que a conheci, decidi fazer parte. A iniciativa contava com apenas três membros quando me juntei a eles, e já tínhamos a árdua tarefa de organizarmos o evento do Dia Mundial da Saúde Mental no campus de São José dos Campos. Inicialmente não tínhamos parceria nenhuma, e nenhum orçamento para o evento. Participar da organização foi bastante desafiador, pois nunca havia me envolvido em um evento destas proporções e com todas as dificuldades que tínhamos. No fim o evento foi um sucesso, e poder discutir os estigmas da saúde mental com outras pessoas foi bastante enriquecedor.

Em 2017, passei por duas perdas repentinas na minha vida. Tenho um irmão que possui esquizofrenia, e em um episódio de surto ele acabou atacando minha mãe. Ela faleceu em decorrência deste episódio e meu irmão foi preso, onde aguarda internação em um hospital psiquiátrico. Este foi um período de extrema mudança na minha vida, que me marcou profundamente. Meu mundo virou de pernas para o ar em questão de horas. Além de perder as duas pessoas mais importantes da minha vida, perdi minha casa também. Estava no meio do semestre da faculdade e do estágio. Sabia que tinha que lidar com minhas responsabilidades da melhor forma possível, pois não tinha outra opção além de seguir em frente. Este período me ensinou a ser uma pessoa mais humana, a saber reconhecer e entender os sentimentos e emoções dentro de mim e daqueles ao meu redor. Me fez amadurecer como pessoa, tornando-me mais resiliente, conseguindo lidar com mudanças repentinas sem perder o foco.

Meus amigos me veem como uma pessoa obstinada, que tenho objetivos e busco sempre alcança-los. Me reconhecem como alguém muito esforçado, que sempre dou meu melhor quando estou trabalhando em algo e que busco soluções diferentes para resolver problemas. Minha namorada as vezes brinca que tenho um “coração mole”, que sou uma pessoa atenciosa e que está sempre disposto a ajudar os outros.

Pode parecer meio clichê, mas adoro perder meu tempo lendo sobre novas tecnologias e como elas mudam a vida das pessoas. Gosto de estudar não apenas o lado técnico, mas principalmente o impacto social que a tecnologia traz. Comecei a estudar Inteligência Artificial, pois acredito que é uma tecnologia que já está transformando a forma como vivemos, e continuará a avançar nos próximos anos. Estudar não apenas os algoritmos de aprendizado de máquina ou redes neurais artificiais, mas também como isto afetará as relações sociais. Como a automação e a IA transformarão nossos empregos, como os médicos chegarão à diagnósticos mais precisos ou até como escolheremos quais produtos comprar. Entender como a tecnologia transforma nossas vidas é essencial para conseguirmos oferecer soluções inovadoras. Aplicar novas metodologias e conhecimentos como, por exemplo, o Design Thinking ou Economia Comportamental, nos permite ter uma visão mais empática das necessidades das pessoas, criando desde modelos que melhor representem as decisões dos consumidores, até desenvolver melhores produtos e serviços. Também adoro jogar vídeo game, praticar exercícios, sair com meus amigos e brincar com meu cachorro e hamster. Gosto muito de ler e pretendo escrever um livro algum dia.

Escolhi me inscrever no programa de Trainee da J&J pois conheço os valores da empresa e os admiro muito. O Credo da empresa, embora tenha sido escrito há 75 anos, continua extremamente atual. Muitas empresas possuem um código de ética, mas ver tais códigos traduzidos nas atitudes das pessoas no dia a dia da empresa é algo extraordinário. A Johnson é uma empresa que valoriza a diversidade, que entende que as melhores ideias nascem quando as pessoas respeitam as suas individualidades. Aprender a me tornar uma liderança na J&J é uma oportunidade única. É ser treinado para estar sempre comprometido com as necessidades dos consumidores, sejam eles pacientes ou médicos, a ser responsável pela sociedade em que vivemos e a colaborar com um mundo melhor. Busco em minha carreira poder causar um impacto positivo na vida das pessoas, seja oferecendo um produto novo ou melhorando algo já existente. Busco ser reconhecido pelo meu serviço, entendendo que o que faço faz parte de algo muito maior.

Gostaria de ser lembrado como um ótimo filho, amigo, irmão e companheiro. Espero poder ter feito a diferença na vida das pessoas ao meu redor, e daquelas que eu não conheço também, através do meu trabalho. Almejo aplicar os meus conhecimentos e habilidades para trazer soluções para os problemas enfrentados por nossa sociedade. Gostaria de poder ajudar a tornar o mundo um lugar melhor e mais inclusivo.