NÃO NOS CALARam

Recentemente foi divulgado que o ator Bruno Gagliasso faria o papel de uma transsexual em uma das versões da nova aposta da emissora Globo, “Supemax”. A questão é: Não existe sequer uma atriz transsexual no Brasil?

Certamente existe muitas atrizes transsexuais no Brasil, afinal, a cena teatral é bem desconstruída e mente aberta para pessoas de todos os sexos, gêneros e etc. O que não existe é oportunidade para a pessoa trans levar uma vida onde ela tenha tempo ou acesso à um curso de teatro, no horário em que ela poderia estar desenvolvendo alguma habilidade ela está se prostituindo ou fazendo cabelo 12 horas por dia para conseguir SOBREVIVER, assim, deixando de VIVER.

A tentativa, frustrada, de dar visibilidade a essas pessoas não agrega em nada na luta das mesmas quando escolhem um ator CIS para interpretar um personagem que é oprimido por “pessoas como o ator”; e a causa ainda é deslegitimada quando tentam implantar um tipo de cura para a transexualidade.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.