Se não valer a pena? — todas as controvérsias do presente com futuro em um texto —

Desculpa, mas aqui não é minha casa. Eu não me sinto em casa. E não, não é porque foi naquela outra — a umas cinco horas de distância daqui — que eu nasci e cresci. Claro, talvez isso tenha uma certa influência, mas não é só por isso. Dizem que lar é aquele lugar onde seu coração estará, e eu juro que tentei fazer o meu estar aqui. Eu o dividi. Eu o quebrei. Separei meu coração de tudo aquilo que ele amava para ensiná-lo como repartir, compartilhar e ensinar que ele pode estar em mais de um lugar. Mas eu acho que ele recusa isso. Têm sido cansativo criar novos laços, conhecer novas pessoas e ter a necessidade de sempre se apresentar agradavelmente aos outros. Isso tem apenas me sufocado mais, sinto que estou em um caminho que não posso voltar tão cedo. E ao mesmo tempo, me sinto uma estúpida por estar sendo tão dramática e sofrendo por algo que nem é tão ruim assim. Sinto que tudo que está acontecendo, a minha distância por um bem “maior”, talvez não valha a pena. Mas talvez isso realmente valha a pena no futuro. Mas e se não valer? O que faço? Se não valer não poderia voltar no tempo e recuperar o “tempo perdido” que passei aqui, criando laços, me obrigando a fazer relações e me afastando de todas aquelas que já tinha feito naturalmente. Mas talvez só vá valer a pena se EU fazer valer, as coisas não irão caminhar se eu não agir afinal. Ai, mas por que tudo têm parecido tão mais complicado agora? Eu digo, “calma” para que eu consiga ficar, mas meu coração parece trabalhar com o meu cérebro pela primeira vez na sua vida, para que digam “não ta tudo bem não”. E eu reclamo de tudo que está acontecendo mas não pelo o que realmente está acontecendo, mas por mim, eu reclamo pelo meu jeito de encarar tudo o que está acontecendo, sofrendo como se fosse algo realmente terrível, enquanto pessoas na Venezuela estão morrendo de fome. Enquanto na Síria há uma guerra, eu tento enfrentar a minha — no momento estou perdendo — como se fosse grande coisa.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.