Como seria a Web com inovações de gênero?

Claudia Melo
Oct 28, 2016 · 2 min read
Keynote na Web.Br 2016, maior conferência brasileira sobre Web e Tecnologia

Em 2016, tivemos no Brasil a 8a edição da Conferência Web.br, um evento organizado promovido pelo escritório brasileiro do World Wide Web Consortium (W3C Brasil) e realizada pelo Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br). Sob a temática Internet das Coisas na Web (IoTw), o evento reuniu mais de 400 pessoas em debates sobre as tendências e boas práticas de desenvolvimento Web.

Meu keynote teve como principal objetivo mostrar que a Internet e a Web, tão importantes na nossa vida, na Economia Digital, verdadeiros bens públicos, estão cheias de distorções.

Distorções (ou Viés) de Gênero, no mundo real e online

Essas distorções, também chamadas de viés (bias), são nossa tendência ou propensão desvirtuada ou preconceituosa de observar ou de agir. Isso nasce de dentro de nós, no mundo real, e passa a fazer parte do mundo digital, no nosso dia-a-dia de uso e criação de novas informações na grande rede.

Contei histórias de como essas distorções instalam-se vagarosamente, desde a infância, consolidando-se nas nossas vidas e na sociedade. Um dos tipos de distorção é o viés de gênero.

Há bastante a ser feito para diminuirmos o imenso viés de gênero no mundo real e digital. Há muita discussão hoje sobre a desigualdade de gênero e como isso prejudica o equilíbrio no mundo.

Como sair das discussões e criar soluções reais e digitais?

Sem dúvida, a educação, desde a formação de princípios éticos até o auto-conhecimento, é chave. É assim que desenvolve-se seres humanos integrais. É um trabalho de vida e inter-gerações.

Gendered innovations (Inovações de Gênero) são uma iniciativa recente e de larga escala para consertar o conhecimento na sociedade, do ponto de vista de sexo e gênero. Consertando o conhecimento, podemos eliminar muitas distorções e criar soluções inovadoras de fato úteis para a sociedade, hoje tão polarizada no ideal masculino.

A União Européia, o governo americano e grandes universidades do mundo, como a Stanford, estão investindo na área.

Como seria a Web de inovações de gênero?

Uma Web com menos viés de linguagem, mídia (imagens, vídeos, audio) e comportamento.

Uma Web (re-)desenhada buscando equilíbrio entre o feminino e o masculino, cheia de inovações.

Quem saber mais? Veja minha palestra no Youtube e material que disponibilizei para que possam conhecer mais sobre o tema, além da entrevista ao blog Faça Você Mesma, no Link Estadão.

Originally published at Claudia Melo.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store