Engraçado como as coisas acontecem e a gente às vezes nem se dá conta da
história que existe em sua essência...
Estava eu fazendo a lição de casa com minha filha e em meio a uma letrinha
e outra que ela coloria – esta era a lição – ela me pediu para ler um livro. E pra minha surpresa qual era o livro que ela tirou da caixinha: O pequeno príncipe de Saint Exupéry.

Ao iniciar a leitura incrivelmente fui levada aquele mundo do pequeno príncipe e consequentemente ao da minha filha que muito atentamente me escutava. Entre uma frase e outra pude identificar partes do meu dia a dia naquela história – aparentemente infantil. Ao ir me aprofundando na história fui identificando as estranhezas do nosso mundo adulto; como perceber que para nós – gente grande – o que tem valor é aquilo que conseguimos atribuir um número. Estranhamente comecei a relembrar episódios em minha vida profissional em que tentei apresentar fatos sem os devidos números ou sem dar “nome aos bois” e me dei conta que nestes momentos não fui validada, ou seja, não me deram crédito, ainda que houvesse evidências claras daquilo que eu estava apresentando. E como explicar tal fato?

Pois é... Estranho seria se conseguíssemos enxergar aquilo que não fomos educados a ver. Fomos instruídos a dar um valor às coisas e não a valorizá-las. Abro aspas para colocar aqui o meu significado para as expressões acima citadas:

“dar um valor”– atribuir um número que o descreva. Exemplo: uma casa de seiscentos contos.

“valorizá-las” – dar a devida importância. Exemplo: ele era encantador e ele queria um carneiro.

Hoje ao reler este livro e ao vivenciar outras situações em que os númerossão exigidos para que haja o efetivo entendimento da situação me vejo querendo ser criança novamente. O meu olhar hoje se volta a perceber o que me parece essencial, a questionar o porquê de certas atitudes e comportamentos em que não consigo atribuir um numero ou uma descrição. E neste movimento de repente percebi que pra enxergar a essência e o que é essencial é preciso ver com o coração.

Que eu possa a cada dia seguir com os olhos do coração bem abertos porque
realmente o essencial é invisível aos olhos!

#Gratidão #sougrataporhoje