Campo Minado

É engraçado como a vida da gente é cheia de surpresas. Chega a ser estranho como, na mesma semana, você pode quase explodir de felicidade por alguma coisa e, dias depois, cair no choro por outro — ou até o mesmo —assunto.

Às vezes eu me pego pensando sobre como sobreviver nesta caixinha de surpresas chamada vida. Hoje estou aqui, cheia de planos e sonhos, mas em alguns minutos algo me tira a vontade de acreditar neles, ou pior: tiram minha confiança em acreditar nos meus sonhos. É estranho quando alguma coisa que acontece longe, pode me afetar. É estranho como a gente muda diariamente. E o pior: é triste quando ninguém percebe. E aí? Aí a gente guarda em outra caixa chamada coração. Deixa lá. Só tenho medo de que ele transborde, mas, qual é? Acho que tudo vai se resolver antes. Não vai?

Sabe, fico pensando… como é que pode a gente ficar tão ansioso e até estressado por alguma coisa? Em algum tempo, isso já vai ter passado e vai parecer idiota todo sentimento “perdido” naquele momento. A gente passa por isso muitas vezes na vida, né? Sempre parece única, a mais importante coisa, mas nunca é. Outras sempre virão.

Mas a questão é: como lidar com esse monte de sentimento que vai e volta dentro de mim? Principalmente quando as pessoas em volta não entendem o que está acontecendo aqui dentro. Ninguém sabe da confusão, do medo, das lágrimas, só veem o sorriso disfarçado e, para eles, está tudo como tem que ser.

A gente vai vivendo. Maseu queria só uma prévia do que vai acontecer em breve, pra saber: continuo lutando pelos meus sonhos ou, de fato, não vai valer a pena? São tantos pensamentos positivos, mas a realidade sempre vem, e aí a gente vê que, infelizmente, a vida não é um sonho. E a caixinha de surpresas? Infelizmente, às vezes a gente até deveria chamá-la de campo minado.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.