Susto na recepção em Cuba

Eis que distraído, apagando fotos toscas com boné para domar a cabeleira selvagem, fui surpreendido por uma senhora e uma jovem da polícia cubana na fila da imigração.

Após algumas perguntas rápidas sobre quem eu era e o que ia fazer em Cuba, confiscaram meu passaporte. Depois, voltaram e me chamaram para um canto onde fizeram mais perguntas tomando nota das respostas.

Me senti suspeito e tenso rs. Não sei porque fui dizer que era ‘periodista’ (jornalista), uma vez que segui a dica de uma amiga para declarar outra profissão no consulado na hora de tirar o visto. Tirei o documento no último dia possível antes de embarcar e vi que o visto para jornalistas em Cuba exige bem mais detalhes que o retirado para as demais profissões.

Onde eu ficar? Por quanto tempo? O que faria? Visitaria? Que equipamentos eu levava comigo? Quanto em dinheiro eu tinha?

Me disseram que era apenas rotina. E depois do bate-papo, em portuñol, descobri que a policial simpática adora as telenovelas brasileiras, me disse que fazem mais sucesso que as mexicanas; também pegou mais leve ao ver que o perfil traçado para alugar o meu Airbnb dizia que eu curtia cachorros.

Enfim, só me deixaram quando encontraram as pessoas que foram me buscar no aeroporto. Por pouco iam me deixar no taxi, já que demos uma volta na saída e não achamos ninguém, até eu ser reconhecido. Susto geral. Pra mim pela situação, assim como para os donos da casa que foram buscar uma pessoa entregue a eles pela Polícia.

Tudo resolvido, a nova recepção até a casa alugada foi bem divertida. Aliás, outro papo sobre novela e já sei que estão passando “Amor à vida” (Rastros de Mentira”), Felix é odiado e que há rumores aqui sobre a sexualidade do Antônio Fagundes. Paola agora que descobriu ser mãe da Paulinha. Não darei spoiler, sigo registrando novos capítulos.

Fotos: anoitecer bonito em Malecón, Havana.