Fazer a coisa certa ou fazer certo as coisas?

Fazer a coisa certa (escolhas) ou fazer certo a coisa (execução) foi uma dúvida que enfrentei em muitos momentos e só depois de algum tempo consegui ter mais clareza da resposta.

Neste artigo, quero contar um pouco de como essa dúvida surgiu no meu caminho e o que eu aprendi sobre isso.

O começo

Desde que comecei a trabalhar com projetos, me dedicava em fazer muito bem aquilo que estava sob minha responsabilidade e com as pessoas ao meu redor. O tempo foi passando e algo me incomodava, pois estava sentindo falta da ligação com resultado que eu estava gerando.

Muitas vezes eu trabalhava meses em um projeto e depois de finalizar, não conseguia acompanhar e saber o quanto de todo aquele trabalho gerou resultado de fato. O prazo, o custo e o escopo estavam dentro da expectativa, mas muitas vezes o cliente que recebia todo o trabalho executado não ficava satisfeito. Faltava algo, mas eu ainda não sabia o que estava faltando!

Com esse questionamento, comecei a buscar um pouco mais de sentido em tudo que eu estava fazendo, tentei entender o porque, o que me motivava e que problema que eu estava resolvendo. No entanto, em muitos momentos eu não conseguia chegar nas respostas, pois as vezes não tinha acesso, estava muito longe do problema ou faltava coragem para enfrentar as barreiras e questionar. A falta da resposta me incomodava.

Uma coisa estava clara, fazer algo só por fazer, mesmo que bem feito, não fazia sentido, eu precisava me conectar de verdade com o problema que estava resolvendo.

Foi deste ponto em diante, que todo o caminho tomou outro rumo e buscar essa resposta não era mais uma opção. O processo na maioria das vezes foi mais trabalhoso, exigiu enfrentar algumas barreiras, mas valeu a pena.

Quando eu sabia qual problema estava resolvendo e qual resultado eu queria atingir, tudo passou a ter outro significado e me conectei mais com as pessoas.

Fazer certo as coisas

Fomos treinados desde pequenos nas escolas a receber as tarefas, colocar energia para realizar o trabalho da melhor forma possível e buscar a nota máxima. Esse comportamento nos transmitiu a mensagem que se nos dedicarmos e fizermos bem feito o que estiver sob nossa responsabilidade, estaremos no caminho certo, mesmo que você não entenda porque está fazendo.

Eu cresci com esse mindset, me dedicando e colocando o máximo de energia e tudo que fiz. Encontrei no gerenciamento de projetos várias técnicas, ferramentas, boas práticas, lições aprendidas, exemplos de como fazer certo as coisas. E existem vários métodos, processos, frameworks, que apoiam e ajudam a executar da melhor maneira.

Muitas coisas boas aconteceram, fiz muitos amigos que compartilharam de várias conquistas e resultados.

Assim como nos jogos de vídeo game, você passa de fase, a dificuldade e a complexidade aumentam, as vezes você falha e aprende que o que te levou até este ponto, não te leva ao próximo ponto. Então começa de novo, segue em frente, tenta novos caminhos e ganha experiência.

Trazendo para a nossa realidade, os problemas também ficam cada vez mais complexos e a cada momento surgem novas formas de fazer as coisas, novas técnicas, novas ferramentas, novas tecnologias que nos ajudam a fazer melhor as coisas, na minha opinião não tem nada de errado aqui, é o ciclo natural da evolução.

“Ideas are easy. Execution is everything.” — John Doerr

De fato, execução é muito importante, pois sem levantar a cadeira e partir para o campo de batalha, ideias são só ideias. Mas só focar em fazer certo as coisas e não me conectar de verdade com aquilo que eu estava fazendo, me gerou o sentimento que precisamos ir além de boa execução.

Foi quando surgiu a pergunta: estou fazendo a coisa certa?

Fazer a coisa certa

Antes de fazermos alguma coisa, temos o processo de escolha, decisão sobre qual direção vamos seguir e qual problema que queremos resolver.

Sem um problema claro, podemos cair no erro de criar uma solução e só depois descobrir que não resolve nenhum problema real. Por incrível que pareça fazemos isso muitas vezes, sem pensar.

É muito comum termos ideias e soluções fantásticas, convencer a nós mesmos que é a melhor ideia do mundo, conseguimos inclusive vender a ideia pra alguém, pois "faz todo sentido". Mas no final, percebemos que aquilo não resolvia nenhum problema real, ou ainda, concluímos que o resultado ruim foi porque o produto ficou ruim. Enfim, quem nunca fez isso que atire a primeira pedra.

Fazer a coisa certa está totalmente conectado com entender o problema que queremos resolver, quais são as pessoas que são impactadas por esse problema, como essas pessoas estão tentando resolver atualmente e quanto deste problema queremos resolver.

Este entendimento gera clareza e nos coloca de frente com o que realmente faz a diferença. Como você pode perceber, isso vem bem antes de criar a solução.

No primeiro momento, não importa muito o como vamos resolver e sim a clareza sobre qual problema vamos resolver, pois é isso que realmente muda o resultado do jogo.

“We spend a lot time designing the bridge, but not enough time thinking about the people who are crossing it.” — Dr. Prabhjot Singh

Entendendo claramente qual problema vamos resolver, podemos nos permitir a olhar com outra perspectiva, outras lentes, inovar, fazer diferente, adaptar algo e colocar toda a criatividade em ação.

Entendendo o problema, temos mais chances de encontrar a coisa certa a ser feita.

Entendendo o problema, conseguimos ter mais clareza sobre qual o impacto queremos gerar e qual o resultado queremos alcançar.

No final são os resultados que importam! Conectar todos os envolvidos com essa mentalidade do resultado durante todo o processo, na minha visão, é o segredo do sucesso e da inovação, onde coisas fantásticas acontecem.

Não se trata mais de só um pequeno grupo de pessoas dando a direção e outro grupo de pessoas executando, trata-se de incluir todos que estão envolvidos para ter clareza do problema, saber o porque, quais são os resultados esperados e criar juntos a coisa certa.

Você nunca vai ter 100% de certeza que está fazendo a coisa certa, mas quando você está com esse mindset, você se permite arriscar um pouco mais, testar/validar novas possibilidades e colocar a solução à prova de forma antecipada.

"If you double the number of experiments you do per year you’re going to double your inventiveness.” — Jeff Bezos

Você se permite questionar constantemente, se é a coisa certa a ser feita e aprende nesse processo em busca do resultado.

Você passa a aceitar que o aprendizado é importante, que você pode mudar de ideia ou adaptar a coisa que está fazendo, pois o que importa é resolver o problema.

“I think it’s very important to have a feedback loop, where you’re constantly thinking about what you’ve done and how you could be doing it better.” — Elon Musk

É pensando desta forma que você vai procurar a coisa certa para fazer da melhor forma.

Conclusão

Nos últimos 4 anos, aprendi muito trabalhando em Startups, com pessoas fantásticas que me apresentaram uma nova visão sobre as coisas, novas formas de resolver problemas, que abriram um mundo de oportunidades na minha frente.

Aprendi muito principalmente sobre design thinking, agile, lean, sobre como entender as pessoas e os problemas, como transformar a vida das pessoas, como resolver problemas de verdade e gerar resultados. Para muitas pessoas não há nada de novo aqui, mas vejo que o segredo é unir isso tudo de forma simples.

"That’s been one of my mantras — focus and simplicity. Simple can be harder than complex; you have to work hard to get your thinking clean to make it simple." — Steve Jobs

O grande aprendizado que fica, é que tudo que fazemos são para pessoas, são pessoas fazendo coisas para pessoas.

Mas e ai? Fazer a coisa certa ou fazer certo as coisas?

Minha resposta é que as 2 coisas são importantes e essenciais, se fazer só uma, sem a outra, temos grande chances de não evoluir e não resolver o problema.

Hoje entendo que não há separação entre fazer a coisa certa e fazer certo as coisas, ambas estão conectadas e fazem parte da execução.

Ter a clareza que essa é a melhor maneira de RESOLVER PROBLEMAS e atingir os resultados, foi o principal aprendizado.

Tudo isso é mais que processo e metodologias, é uma forma de pensar em resolver o problema das pessoas.

“The best way of learning about anything is by doing.” — Richard Branson
Show your support

Clapping shows how much you appreciated Cleiton Luis Mafra’s story.