Operação Market-Garden: estratégia sem informação não é nada


Quase no final de 1944, aconteceu a maior operação de toda a Segunda Guerra: a Market-Garden.

Uma operação dividida entre ataque aéreo (Market) e apoio de solo (Garden) que contava com cerca de 7 mil aviões levando bombas, soldados paraquedistas e munição para deter o avanço dos alemães sobre os Países Baixos. No total, eram 34,600 soldados envolvidos. Com uma ação similar ao Dia D, a ideia era tomar as principais pontes nos países que faziam fronteira com a Alemanha e garantir a vantagem de posicionamento tático e estratégico.

O plano começou bem. Eisenhower liberou as tropas e então o céu foi tomado pelos milhares de aviões. Bombas foram lançadas, soldados fizeram seus saltos e as primeiras pontes foram tomadas com certa facilidade pelos Aliados.

Só que fazia apenas 3 meses desde o Dia D e os alemães que conseguiram sair da Normandia estavam em retirada para a Holanda. Também havia um grande volume de companhias do exército alemão com forte experiência em campanhas ofensivas e defensivas. A tropa alemã somava um total aproximado de 60 mil soldados repondo suprimentos na Holanda. Boa parte do contingente alemão estava ali porque os próprios aliados haviam impedido seu avanço em outras frentes.

Por essa os aliados não esperavam.

O primeiro grande obstáculo surgiu quando uma das tropas de solo perdeu o timing por causa de uma ponte que já havia sido demolida pelos alemães. A seguir, foram surgindo mais problemas: tropas alemãs já haviam percebido o ataque que estava por vir e receberam o inimigo com todo o poder de fogo possível. A resistência alemã se mostrou muito superior ao avanço dos outros exércitos.

Isso aconteceu não só porque os alemães haviam saído da França e parado na Holanda. Mas sim porque eles receberam informações sobre britânicos reunindo um volume absurdo de soldados para alguma operação. Logicamente, a única razão para tanto esforço tático era a localização dos alemães no momento.

A resposta alemã foi tão intensa que, em determinadas áreas era possível encontrar companhias de paraquedistas contando com apenas 1 soldado para cada 4 soldados inimigos.

As falhas de comunicação eram constantes, afinal, não havia sinal de rádio quando as tropas avançavam muito em território ainda dominado pelo inimigo.

Foram 9 dias de campanha. Neste período, só os ingleses perderam mais de 10 mil soldados, uma divisão completa de infantaria foi dizimada. O objetivo de encerrar a guerra até o natal já não era mais possível.

Em proporções de guerra, é isso que acontece quando você planeja uma investida que subestima o alvo, não pensa nos obstáculos a longo prazo e não cria uma estratégia de resposta às emergências, resultando num total de quase 20 mil baixas que poderiam ser evitadas.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Cleiton Maranhão’s story.