Pessoas precisam de ajuda. São precipícios demais!

Pois é, uma frase inexata e ampla demais que pode significar muitas coisas.

Mas este é exatamente o objetivo, de fato.

Já parou para pensar em quantas pessoas devem precisar da sua ajuda, seja ela como for? Quantas pessoas só têm sua atenção DEPOIS que uma notícia ruim sobre algo ruim que essa pessoa fez contra si mesma chega até você? Quantas pessoas sofrem pequenas mortes diariamente, são mortas por causa de vários episódios, graves ou não, de indiferença e apatia?


Imagine só. É como se fosse uma pessoa qualquer que você conhece, com seus problemas quaisquer que você pode conhecer ou não, carregando-os consigo num caminho rumo à beira de um precipício; ela está longe de você, tem os olhos vendados.

A pessoa caminha longe do vão fundo, mas percebe-se que ela vai na direção dele.

Você se encontra de certa forma longe dessa pessoa, mas consegue enxergá-la sem muitas dificuldades; por algum motivo aleatório, está ocupado demais tentando sair dos seus próprios problemas pessoais. Mesmo assim, enxerga também numa piscadela rápida que essa mesma pessoa, vendada e mal-humorada, vai para o lado errado. Não tão próxima do vão, mas na direção dele.

É simples, você caminha (ou corre, dependendo da situação) na direção dela e tira a venda dos olhos dessa pessoa, ou então só tenta virá-lá a uma direção que não seja a do precipício, se não souber como desamarrar aquele nó forte logo de cara, não é mesmo? Não é simples?


Pois é, no mundo muita gente não tem paciência pra caminhar essa pequena longa distância, porque “quem ameaça nunca se mata realmente”, ou porque “isso é só invenção de criança mimada que não sabe nada sobre a vida”, porque “é só mimimi”.

É SÓ mimimi? Ou é só a sua falta de empatia de sempre? Ou é só a NOSSA falta de empatia de sempre? Quantas pessoas já não “matamos” por causa de preconceitos e suposições?

Espero então que não seja tarde demais para pedir desculpas e desatar os nós das vendas que encobrem os rostos daqueles que amamos, espero que não seja tarde demais para ser forte o suficiente em admitir que precisamos de ajuda, espero que não seja tarde demais para irmos atrás dessa ajuda.

E, principalmente, espero que este não tenha sido só mais um devaneio inútil de uma madrugada qualquer.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Isabela Moura’s story.