Uma Paulada Contra a Low Carb, ou não

Nos últimos dias algumas pessoas me perguntaram sobre aquela matéria na O Tupi entitulada: "Reduzir gordura na dieta é mais eficaz do que reduzir carboidrato, diz estudo".

O artigo original é um primor de rigor científico com o título: "One Strike against Low-Carbohydrate Diets", review nada tendencioso que cobre esse trabalho científico "Calorie for Calorie, Dietary Fat Restriction Results in More Body Fat Loss than Carbohydrate Restriction in People with Obesity".

O trabalho real foi muito bem executado e seguiu rígida metodologia, não consigo encontrar falhas nele e os resultados nos ajudarão a entender muitas coisas.

Em resumo, confinaram 19 pessoas obesas por 2 semanas em uma enfermaria, mediram vários pontos, aplicaram um modelo matemático para "prever" o padrão a longo prazo. Até aí tudo perfeito, vamos as considerações.

Qual Low Carb?

Eu defendo e aplico uma Ketogenic Diet (dieta cetogênica) com Refeeds (reintrodução de carboidratos de tempos em tempos) e Intermittent Fasting (Jejum intermitente) adaptada ou tentando adaptar a um esporte basicamente cardio. Acho que a obra mais completa que voce pode ler sobre isso é o excelente livro de 1998 chamado "The Ketogenic Diet: A Complete Guide for the Dieter and Practitioner". Dentro da própria Keto existem submodelos, mas os princípios seguem os mesmos.

No modelo que sigo, a alimentação é baseada em 70% de Gordura, 20% de proteína e 10% de carbs para me limitar aos macros.

Mas existem dezenas de outros modelos Low Carb, inclusive as famosas dietas da proteína, sendo Atkins o modelo mais conhecido.

O estudo não citou um modelo em particular, mas a proporção de gordura utilizada no trabalho de longe lembra um modelo Keto e duvido até se ele aproxima a uma dieta da proteína. Restringir carbs não é só diminuir um pouco, dentro do modelo que sigo voce tem que cortar drasticamente para ativar o estado que chamamos de cetoadaptado.

Outro ponto que o estudo não se aplica a Keto foi aplicar um modelo matemático para tentar prever a longo prazo desconsiderando que o corpo acostumado a uma dieta rica em carbs — como a ocidental — demora de 10 a 15 dias para entrar em cetose, ou seja, é injusto medir nesse período para prever o futuro quando voce ainda não tem o estado necessário do modelo.

Não citaram as fontes de gordura, mas creio que para o resultado final que é comparar estritamente sobre peso não faria muita diferença.

Calorias servem como modelo?

O estudo utilizou restrição calórica para comparar as duas abordagens, existem sérios estudos que colocam em dúvida a real utilidade de medir calorias, porque os caminhos metabólicos de cada fonte de energia (alcool, carboidratos, proteína, gorduras e corpos cetônicos) são utilizados de forma diferente em intrínsicas conversões bioquímicas.

Eu destaco o artigo "Alternate-day fasting and chronic disease prevention: a review of human and animal trials" que compara diretamente a restrição calórica com jejum intermitente e chega a conclusão que o Jejum é superior.

Resultados

De qualquer forma os resultados são interessantes para nós, porque sabíamos que mais de 50g de carbs (140g usadas no estudo) dificilmente se atinge o estado que desejamos, ativar a via metabólica para o corpo utilizar suas próprias reservas sem ser via exercício.

O principal que o estudo faz é isolar um fator, perder peso, que nem é o mais importante para nós. A meta em um estado cetogênico é evitar a sintrome metabolico a a inflamação crônica que uma alimentação rica em carbs provoca, isso o estudo não cobre.

Agora um fator importante que deve se considerar, o estudo utilizou 350g de carbs para a restrição de gorduras, algo completamente fora da grande realidade da alimentação na maioria das pessoas, só quem está em controle rígido de calorias e duvido muito ser sustentável a longo prazo.

Então só reduzir carbs não tem grandes vantagens sobre a alimentação ocidental convencional recomendada segundo o modelo do estudo, mas não se aplica a todos os modelos de Low Carb e está longe do nosso modelo.