Dona Morte

Tu és um ser supremo
e mesmo assim, não lhe temo
Admiro-te
Tu que mesmo possuindo um grande poder
És justa
Leva-nos para o desconhecido, mas não assusta
E carrega todos igualmente para o infinito
sem nem darmos um grito
Quem és tu Dona Morte?
Um ser intrínseco do universo
ou um ser simplesmente perverso
que se alimenta do sofrimento deixado para trás
Não me importo de ser o teu alento
Tu que paulatinamente nos tira o tempo
Tudo na vida tem um fim
E com um pouco de sorte
Não falta muito para mim.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.